Euronext sobre Sonae MC: “É assim que os mercados funcionam”

O CEO da Euronext Lisbon, Paulo Rodrigues Silva, lembrou que tem havido muita volatilidade nos mercados nos últimos dias, relacionada com Itália, a guerra comercial e o Brexit.

Cristina Bernardo

Paulo Rodrigues Silva, CEO da Euronext Lisboa, considera que a queda da Oferta Pública de Venda (OPV) do negócio do retalho da Sonae não é uma situação extraordinária e que está relacionada com a instabilidade nos mercados financeiros nos últimos dias. Nos próximos dias, a gestora da Bolsa de Lisboa irá debater questões técnicas com o grupo.

A OPV da Sonae MC caiu esta quinta-feira, depois de o grupo ter falhado a oferta particular a investidores institucionais: “É uma situação que estava prevista. Ontem foi um dia de grande turbulência. Há instabilidade nos mercados e ao longo do processo de roadshow, decidiram que as condições não estavam reunidas”, disse Rodrigues Silva, num encontro com jornalistas, esta sexta-feira.

O CEO lembrou que é uma situação que já ocorreu noutros locais, sendo que na própria Euronext, nos últimos dias, houve outra operação prolongada e ainda outra cancelada. “Gostaria de ter uma operação como a Sonae a realizar-se? Não tenho qualquer dúvida disso. Mas é preciso ter consciência  de que é assim que os mercados funcionam. Ontem foi um dos maiores dias do ano de transações em bolsa, foi um dia de grande volatilidade”, disse.

O grupo liderado por Paulo Azevedo comunicou, esta quinta-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que as condições adversas nos mercados internacionais, a oferta institucional não se concretizará, o que determinará, consequentemente, a não execução da oferta pública de venda de ações.

“Estava definido que a oferta ao retalho estava condicionada à oferta institucional. Haverão questões técnicas a resolver nos próximos dias”, explicou. Caso a Sonae MC queira voltar a tentar entrar em bolsa terá de haver uma negociação e a oferta poderá ter as mesmas ou outras condições.

Esta é a primeira vez, desde o fracasso da entrada em bolsa da Mota Engil África (em Londres, em 2014, pelas mesmas razões), que uma empresa portuguesa desiste de uma OPV.

Paulo Rodrigues da Silva garantiu que a Euronext Lisbon irá continuar a trabalhar com as empresas porque “cada caso é um caso”. A expetativa é que a de todas as operações continuem e terça-feira há uma admissão, da Farminvest, que continua confirmada, sublinhou.

“A história diz-nos que, depois dos momentos de volatilidade, há entradas de empresas em bolsa e com maiores valorizações. Há operações em curso, com menor dimensão, e vamos prosseguir e ver. Os mercados mudam muito rapidamente”, acrescentou, apontando para o aumento da volatilidade das bolsas relacionado com Itália, guerra comercial e o Brexit. “Temos de conviver com isso e fazer o que está nas nossas mãos”, disse.

Ler mais
Relacionadas

Sonae falha entrada em bolsa do negócio de retalho

Sonae cancelou Oferta Pública de Venda das ações da unidade de retalho do grupo, devido ao falhanço da colocação junto de investidores institucionais, que era uma condição essencial à concretização da entrada em bolsa.

PremiumSonae falha venda em bolsa do Continente

Grupo desistiu da Oferta Pública de Venda das ações da unidade de retalho, devido ao falhanço da colocação junto de institucionais. Segundo fontes do mercado contatadas pelo Jornal Económico, a Sonae mantém a intenção de colocar a unidade de retalho em bolsa.

PremiumCorrida por oferta curta e atrativa. Como a Sonae MC pode chegar ao preço máximo da OPV

O preço das ações da Sonae MC será determinado pela procura, que os analistas antecipam ser elevada entre investidores de retalho nacionais. No entanto, poderá haver fatores que levem a um desconto nos títulos da empresa.
Recomendadas

Um em cada dez investidores institucionais já usa Inteligência Artificial

“É tentador assumir que a rapidez, eficiência e os menores atritos criam mercados mais precisos e seguros, mas este não é necessariamente o caso. Em muitos casos as ineficiências simplesmente aumentam”, alertou Paras Anand, diretor de gestão de ativos da Ásia na Fidelity International.

Inflação na Argentina vai atingir novo pico este mês, segundo ministro do Tesouro

O peso valorizou 13% em outubro para 36,54 por dólar norte-americano. No entanto, a moeda continua 49% mais fraca em relação ao dólar no acumulado de 2018.

“Fusões em Portugal já deviam ter começado há bastante tempo”

No programa Decisores desta semana, o tema é a compra da gestora de fundos Optimize pela DiF Broker. Os líderes das duas empresas explicam como o poder dificulta as fusões no setor.
Comentários