Euronext vê “sinais positivos” em Angola

“Vejo grande determinação na adopção de novas regras de organização e de governo, e na procura de uma melhor utilização dos recursos em Angola”, disse Isabel Ucha, administradora da Euronext.

A Euronext vê “sinais positivos” na evolução da economia angolana e nos esforços para promover melhores condições para o desenvolvimento do mercado de capitais, disse hoje em Luanda Isabel Ucha, administradora da entidade.
“Estamos a acompanhar com expectativa muito positiva e entusiasmo as modificações económicas em Angola, sobretudo ao nível de alguma políticas anunciadas e de alguns resultados já visíveis”, disse, no Fórum do Mercado de Capitais 2018.

A responsável reconheceu que estão a ser atingidos “alguns equilíbrios macroeconómicos na consolidação orçamental, dívida pública, política monetária e controlo da inflação, para além da política cambial, no sentido de se conduzir a taxa de câmbio para o nível mais próximo do formado pelas forças de mercado”.

“Tudo isto são notícias positivas”, defendeu, considerando que o programa de privatizações pode ter “impacto positivo” no mercado de capitais. “Vejo grande determinação na adopção de novas regras de organização e de governo, e na procura de uma melhor utilização dos recursos em Angola”, disse Isabel Ucha.

A Euronext é a sociedade gestora das bolsas de Portugal, França, Bélgica, Holanda, Irlanda, e da plataforma no Reino Unido, para além de obrigações internacionais e emitidas nos mercados locais. No total, tem cerca de 1.300 emitentes e um volume de negócios diário de cerca de 8 mil milhões de euros em dois mil milhões de negócios

Recomendadas

Só com o PS é possível manter o equilíbrio na governação – António Costa

De acordo com o primeiro-ministro, nos últimos três anos e meio, os compromissos assumidos “foram cumpridos, porque palavra dada tem sido sempre palavra honrada”.

Paulo Rangel pede voto bem cedo para impedir “legitimação” de Costa

Segundo Rangel, o que António Costa procura nas eleições europeias é tentar “um plebiscito à moda napoleónica ou cesarista” para conseguir a sua “legitimação” a nível nacional já que, disse, até hoje o primeiro-ministro “nunca foi capaz de ganhar uma eleição”.

Eleições podem iniciar alteração do mapa político à esquerda em Portugal – Marisa Matias

Para Marisa Matias, “não importa fazer campanhas” se é para os candidatos se ouvirem uns aos outros e “não ouvir as pessoas e não falar daquilo” que é os leva até elas.
Comentários