Europa considera presidenciais polacas tendenciosas

A OSCE acusa os meios de comunicação estatais de forte tendência para apoiar o presidente que se recandidatava – e que este assumiu diversas vezes um discurso xenófobo, homofóbico e anti-semita. Nada de novo, portanto.

Warsaw, Polónia: 2.6 dólares

O atual presidente polaco Andrzej Duda não evitou uma segunda volta das presidenciais contra o autarca de Varsóvia, Rafal Trzaskowski e terá de contar com o apoio da extrema-direita na segunda volta, a 12 de julho. No final, a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), considerou que as incertezas legais não se manifestaram, mas o ato ficou marcado “pela intolerância e caráter tendencioso dos media públicos, o que manchou a campanha”, refere a organização em comunicado.

A oposição ao PiS, o partido que controla o governo e a presidência, não conseguiu um volume de adesão tão elevado como mostravam as sondagens, mas o certo é que Rafal Trzaskowski terã mais margem para crescer na segunda volta. Duda, o atual presidente, tem pouca margem para crescer, uma vez que já drenou os votos de parte da extrema-direita, enquanto que Trzaskowski poderá contar com o voto útil da esquerda, apesar da pouca determinação daquela área política em colocar o presidente da capital do país na presidência.

De qualquer modo, a OSCE afirma que as eleições foram “administrada profissionalmente, apesar da falta de clareza jurídica, pois foram encontradas soluções para a realizar durante a pandemia de Covid-19. A campanha foi caracterizada por uma retórica intolerante e por uma emissora pública que falhou no seu dever de oferecer cobertura equilibrada e imparcial”, disseram os observadores internacionais no terreno.

“Vimos uma primeira volta profissional, mesmo em tempos difíceis e num ambiente político fortemente polarizado”, disse Thomas Boserup, chefe da missão especial de avaliação eleitoral da OSCE. “Está claro que as emoções estão em alta, mas a intolerância ou os media tendenciosos nunca podem fazer parte de uma democracia verdadeiramente vibrante”.

Cerca de 30 milhões de pessoas foram levadas a participar nas eleições. A administração eleitoral cumpriu todos os prazos legais e realizou as suas atividades de forma aceitável, e os procedimentos foram bem seguidos nas assembleias de voto visitadas pelos observadores internacionais.

Mesmo assim, “a legislação que permitiu a eleição foi adotada à pressa e sem debate público adequado, em desacordo com os compromissos assumidos por todos os países da região OSCE”. As mudanças tiveram implicações no registo de candidatos, campanhas e financiamento de campanhas, métodos de votação e resolução de disputas eleitorais. A maneira como foram feitas comprometeu a estabilidade e a clareza da legislação”.

A campanha em si foi caracterizada “por retórica negativa pelos principais candidatos, que assim agravaram ainda mais a atmosfera já de confronto. A linguagem inflamada do titular [Duda] e a sua campanha eram às vezes xenófobas e homofóbicas”.

Apesar de a emissora pública forneceu o tempo de antena gratuito legalmente estabelecido a todos os candidatos e organizou o único debate conjunto televisionado realizado durante a campanha, “isso não permitiu nenhuma discussão substancial que ajudasse os eleitores a fazerem um julgamento informado. No período que antecedeu a eleição, a emissora pública tornou-se uma ferramenta de campanha para o titular, enquanto alguns relatos tinham claras nuances xenófobas e anti-semitas”, refere ainda o comunicado.

Ler mais
Recomendadas

É oficial: Donald Trump retira Estados Unidos da OMS

“O Congresso recebeu a notificação de que o Presidente retirou oficialmente os Estados Unidos da OMS em plena pandemia”, escreveu no Twitter o senador democrata Robert Menendez. Washington e ONU já confirmaram.

“Gripezinha ou resfriadinho”. Imprensa brasileira relembra declarações de Bolsonaro sobre a Covid-19

Presidente sempre desvalorizou doença, comparando-a a uma “gripezinha” ou “resfriadinho” e promovendo o uso de hidroxicloroquina, que afirma já ter tomado. Reações das redes sociais também merecem destaque na imprensa.

Comprar uma marca de sapatos. Warren Buffett elege “erro mais terrível”

Embora Warren Buffett estivesse errado sobre as perspetivas da Dexter, reconheceu a ameaça que logo afundaria a empresa: os sapatos importados e baratos, vindos de países com baixos salários.
Comentários