Eurovisão: no final ganhou Portugal

A Eurovisão foi um ‘boost’ não só para as marcas envolvidas no evento, mas sobretudo para Portugal e para Lisboa, em particular.

Salvador Sobral e a sua canção “Amar pelos dois” trouxeram para Portugal o maior evento europeu da música. Com a sua simplicidade e emoção, este jovem conquistou a Europa e o mundo, oferecendo-nos a possibilidade de acolher, pela primeiríssima vez,  este grande certame mundial.

Em 2018, Lisboa foi a cidade anfitriã, recebendo com pompa e circunstância a 63ª edição do Festival da Eurovisão. Entre fãs, apoiantes, jornalistas e participantes, foram milhares os visitantes que na semana passada viveram a experiência do festival espalhada pela cidade de Lisboa, numa organização que se estendeu muito para além do Altice Arena. Em suma, a Eurovisão foi um boost não só para as marcas envolvidas no evento, mas sobretudo para o país e, em especial, para a cidade de Lisboa.

Com um custo total de 20 milhões de euros, sendo metade responsabilidade das entidades nacionais (Câmara de Lisboa, RTP e Turismo de Portugal), o retorno do investimento deverá ultrapassar os 100 milhões de euros, beneficiando com a dinâmica dos setores da hotelaria e restauração e da cadeia de valor que o turismo arrasta consigo, nomeadamente as empresas de construção civil, empresas de rent-a-car e animação noturna.

Para além destes números, houve uma estratégia inteligente de promoção da cidade, através do convite às 43 delegações participantes, para a realização de um vídeo teaser de 40 segundos que realçasse a beleza de diversos pontos da cidade e que foi exibido antes de cada atuação. Esta divulgação primorosa da cidade contou com uma audiência de 200 milhões de espetadores, o que para além da visibilidade planetária, realçou um país moderno, acolhedor e com elevadas competências na área do turismo.

A Eurovisão é muito mais do que um concurso musical. É, sobretudo, um hino à união entre culturas, que põe de parte divergências ideológicas, políticas ou religiosas. Portugal e, em particular, Lisboa, não só está na moda, como tem uma identidade histórica multicultural, reunindo todas as caraterísticas para receber a diversidade. Além disso, já demonstrou que sabe organizar eventos de grande dimensão com notoriedade, com destaque para a Expo 98, o Euro 2004 e a Web Summit.

Simplicidade, profissionalismo e bem receber são caraterísticas que, mais uma vez, conquistaram todos os participantes e agentes envolvidos no evento. Apesar do último lugar, Portugal ganhou novamente a Eurovisão, não de microfone na mão, mas no coração de todos os países.

Recomendadas

Um Irão irado não é bom para ninguém

Cabe à UE, em conjunto com China e Índia, salvar o acordo nuclear, de forma a não encurralar ainda mais o gigante persa. A última coisa de que o Médio Oriente precisa é de mais uma guerra.

Os olvidados

Impressiona-me que gente que estudou nas melhores universidades nacionais e internacionais padeça de uma falta de memória digna do mais avançado doente de alzheimer.

Sortudo versus Azarado

Devemos investir em ativos reais que estejam expostos ao crescimento da economia mundial. Investir em ações, que são fatias de negócios, continua a ser a melhor forma de proteger e aumentar a riqueza.
Comentários