Ex-CEO da Mota-Engil África compra Elevo por 90 milhões

Esta operação envolveu mais de 20 instituições bancárias (entre elas o ainda Banco Popular Portugal, ainda sob a liderança de Carlos Álvares) e contou com o apoio da FCB advogados liderada por João Couceiro.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

A Nacala Holding de Gilberto Rodrigues, ex-CEO da Mota Engil África, acaba de comprar o Grupo Elevo ao Fundo Vallis. O valor da transação não foi avançado, mas fonte ligada ao processo diz ser “uma das maiores do sector” adiantando ser cerca de 100 milhões de euros.

O Grupo Elevo é um grupo de Engenharia e Construção, em Lisboa, liderado por Pedro Gonçalves, e resultou da fusão dos grupos Edifer, Monte Adriano, Hagen e Eusébios.

Esta operação envolveu mais de 20 instituições bancárias (entre elas o ainda Banco Popular Portugal, ainda sob a liderança de Carlos Álvares) e contou com o apoio da FCB advogados liderada por João Couceiro. Já o Fundo Vallis Construction Sector Consolidation Fund, foi assessorado pela SRS Advogados.

“Através do know-how internacionalmente reconhecido dos novos accionistas a Elevo pretende tornar-se no player de referência no sector de construção e infra-estrutura Nacional”, diz fonte ligada à operação.

A Nacala Holdings, liderada por Gilberto Rodrigues e Pedro Antelo, respectivamente da Mota-Engil África, adquiriram hoje a totalidade do capital do Grupo Elevo ao Fundo Vallis Construction Sector Consolidation Fund, numa transação com um valor efectivamente pago de 90 milhões de euros. O comunicado fala em aquisição de ações, aumento de capital e compra de créditos.

No ano de 2016, o Grupo Elevo registou um volume de negócios de cerca de 450 milhões de euros, em atividades como Engenharia e Construção, Concessões Rodoviárias e Imobiliário.

Gilberto Rodrigues, CEO da Nacala referiu em comunicado: “É com grande satisfação que concluímos, com sucesso, a aquisição do Grupo Elevo. A Elevo enquadra-se no perfil de empresa que procurávamos adquirir, com uma actividade forte ao nível das Infraestruturas, com diversificação geográfica assente em África e na América Latina, com qualidade técnica reconhecida, e no ponto de inflexão que os accionistas da Nacala Holdings podem potenciar, elevando a empresa para outros níveis de ambição.
Temos a convicção profunda de que, com nossa experiência e visão dos mercados externos, assente no pressuposto da permanente inovação e gestão de talento, onde pontificam as competências técnicas dos Quadros destas empresas, reuniremos todas as qualidades necessárias para o sucesso futuro do universo de empresas do Grupo Elevo”.

Pedro Gonçalves, CEO da Vallis Consolidation Strategies I e do Grupo Elevo, diz no comunicado que  “foi com forte sentido de compromisso e responsabilidade que executámos um processo estratégico de reestruturação e desenvolvimento internacional destas empresas, em especial num período de clara adversidade para o sector da construção. Após uma profunda reestruturação das suas operações, em especial em Portugal, o Grupo ELEVO – beneficiando da dedicação e qualidade dos seus colaboradores
– tem expandido com sucesso a sua atividade para um conjunto de novos mercados, com especial relevância para os Camarões, Bolívia e Zâmbia”.

“Do ponto de vista do Fundo consideramos que a presente transacção se traduz numa operação de êxito bem sucedida, considerando o contexto em que a respectiva estratégia de turnaround foi executada, objectivo primordial para a qual o Fundo se vocacionou desde o primeiro momento”, diz Pedro Gonçalves, administrador do Vallis e presidente da Elevo.

 

(atualiza com comunicado oficial)

Recomendadas

Montijo: Problemas são apresentados “sob forma de homilia”, acusa ex-presidente do LNEC

Para Carlos Matias Ramos, antigo responsável do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, a estratégia para os transportes constitui um “desafio, uma oportunidade e uma necessidade”, sendo determinante para as “regiões periféricas”.

CEO da Galp compra participação na empresa

A operação ocorreu no dia 18 de junho, por um preço de 9,61 euros por ação, ou seja, um total de cerca de 243 mil euros.

Metro de Lisboa só começa a funcionar às 10:15 na quinta-feira devido a greve

O pré-aviso de greve foi entregue após uma reunião com o conselho de administração da empresa, realizada a 2 de junho, na qual não foi possível chegar a um entendimento.
Comentários