Ex-ministro de Cavaco Silva vai para a pasta da Agricultura se Rui Rio vencer

Arlindo Cunha foi ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação durante o segundo XI Governo Constitucional, liderado por Cavaco Silva, entre 1987 e 1991. É o segundo nome que deverá integrar o elenco governativo caso o PSD vença as eleições.

“Eu também tenho o meu Mário Centeno.”

O presidente do PSD, Rui Rio, anunciou hoje que, se formar governo, o seu ministro da Agricultura será Arlindo Cunha, que já ocupou esta pasta durante o segundo executivo liderado por Cavaco Silva, entre 1987 e 1991.

No final de uma manhã dedicada à agricultura, o líder social-democrata fez questão de dizer aos jornalistas que pretende para esta pasta uma personalidade de reconhecido mérito e experiência.

Arlindo Cunha foi ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação durante o segundo XI Governo Constitucional, liderado por Cavaco Silva, entre 1987 e 1991.

Recomendadas

Exclusivo: Governo leva à concertação social proposta de 635 euros para salário mínimo em 2020

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, vai levar aos parceiros sociais esta quarta-feira, 13 de novembro, uma proposta de actualização em 35 euros do salário mínimo nacional (SMN) para 2020. Aumento do SMN não contará com acordo dos patrões e será fixado unilateralmente, passando para os 635 euros, após meta de 750 euros fixada para 2023.

Comissão quer que solução adotada para PAN seja válida para novos deputados únicos

A recomendação abre a porta a que os deputados únicos do Chega, Iniciativa Liberal e Livre possam fazer uma intervenção de um minuto e meio no debate quinzenal com o primeiro-ministro desta quarta-feira. Falta apenas a aprovação do presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues.

PS quer dar um minuto para deputados únicos intervirem no Parlamento

O PS entregou hoje alterações ao Regimento da Assembleia da República, prevendo que os deputados únicos (Chega, Iniciativa Liberal e Livre) tenham um minuto de tempo de intervenção em debates quinzenais com o primeiro-ministro já na quarta-feira.
Comentários