Ex-presidente da IL lamenta nunca ter “explicado decentemente a fraude política que é Rui Rio”

Carlos Guimarães Pinto acusa presidente do PSD de ser “o único líder da oposição do mundo que acha que escrutinar o primeiro-ministro na Assembleia da República de duas em duas semanas é demais”. E diz que proposta avançada pelos sociais-democratas “alimenta ainda mais a corrupção no financiamento partidário”.

carlos_guimarães_pinto_legislativas_voto
Manuel Fernando Araújo/Lusa

O ex-presidente da Iniciativa Liberal (IL), Carlos Guimarães Pinto, escreveu nas redes sociais que uma das “frustrações que o perseguem para a vida” é “nunca ter conseguido explicado explicar decentemente a fraude política que é Rui Rio” a todas as pessoas que durante a campanha para as legislativas de 2019 lhe diziam que concordavam consigo mas não lhe iriam dar o voto, pois “era preciso dar força ao PSD de Rio para fazer oposição a [António] Costa”.

Num post de Facebook muito crítico para o líder social-democrata, Carlos Guimarães Pinto enumera que “Rio prepara-se para permitir que um ex-ministro cheio de conflitos de interesses seja nomeado governador do Banco de Portugal”, referindo-se à abertura do PSD para a sucessão de Carlos Costa por Mário Centeno, e “para permitir o assalto aos contribuintes em que o bail-out da TAP se tornará”.

E também que o presidente do PSD “consegue o feito notável de ser o único líder da oposição do mundo que acha que escrutinar o primeiro-ministro na Assembleia da República de duas em duas semanas é demais, querendo acabar com os debates quinzenais” e que se prepara para propor a eliminação das dividas dos partidos não reclamadas nos últimos cinco anos. Algo que, na opinião do ex-presidente da Iniciativa Liberal, significa “abrir a porta para que fornecedores dos partidos lhes possam perdoar as dívidas (na prática, fazendo donativos ilegais) a troco de contratos públicos vantajosos, alimentando ainda mais a corrupção no financiamento partidário”.

Carlos Guimarães foi o cabeça de lista da IL pelo círculo do Porto nas legislativas, mas não conseguiu ser eleito, tendo-se afastado da liderança. O único deputado do partido na Assembleia da República, João Cotrim Figueiredo, cabeça de lista por Lisboa, sucedeu-lhe na presidência.

Relacionadas

PSD quer acabar com debates quinzenais com o primeiro-ministro

A ideia do presidente do PSD, Rui Rio, é “enobrecer” dos debates “exclusivamente com o primeiro-ministro” e, por isso, sugere que estes passem a realizar-se apenas em setembro, janeiro, março e maio e sejam criados debates de Estado da Nação setoriais.
Recomendadas

João Ferreira: “Marcelo sujeitou os jovens a uma vulnerabilidade acrescida”

Nos últimos anos, a ação de Marcelo sujeitou os jovens a uma vulnerabilidade acrescida, por exemplo alargando o período experimental. Os Governos não têm governado de acordo com a Constituição”, considerou o atual eurodeputado em entrevista à TVI.
ana_catarina_mendes_ps

PS propõe “medidas de estímulo positivas” para travar desequilibro de género agravado pela Covid-19

O grupo parlamentar socialista considera que é preciso promovam o equilíbrio de género no recurso ao teletrabalho e atrair mulheres para os setores do digital e da energia, para que “não ficarem para trás no processo de transição digital e verde”.

Tempo está esgotar-se para um Brexit com acordo, alertam Reino Unido e Bruxelas

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, afirmou que chegar a um acordo seria “preferível”, mas avisa que o Reino Unido prosperaria na mesma caso não fosse alcançado.
Comentários