Ex-procurador arguido na Operacão Fizz emprestou dinheiro ao juiz Carlos Alexandre

O jornal Público noticia que o procurador suspeito de corrupção na Operação Fizz, Orlando Figueira, emprestou dez mil euros ao juiz Carlos Alexandre, de quem é amigo há vários anos.

O Público avança que Orlando Figueira emprestou 10 mil euros ao juiz Carlos Alexandre em 2015, para a construção de um imóvel em Mação. Sem citar uma fonte, o diário acrescenta que o empréstimo foi devolvido há quase um ano.

O jornal adianta que Figueira, que foi recentemente indiciado por corrupção, branqueamento de capitais, violação de segredo de justiça e falsificação de documentos no contexto da Operação Fizz, e o juiz Carlos Alexandre, que lidera casos mediáticos como a Operação Furacão e a Operação Marquês,  são amigos há vários anos.

Segundo o Público, as magistradas da Operação Fizz terão chamado Carlos Alexandre há pouco mais de um mês a depor sobre a alegada transferência de dez mil euros para a conta de Orlando Figueira, numa altura em que o mesmo já tinha sido constituído arguido.

Recomendadas

Juiz rejeita pedido da defesa de Ricardo Salgado para levantar cauções de três milhões de euros

Os advogados do ex-banqueiro exigiam a devolução das cauções prestadas no valor de três mil milhões de euros e, adicionalmente, também pediram que fossem levantados os 10,7 milhões de euros apreendidos nas contas bancárias na Suíça e outros bens.

ERSE. Tribunal condena Goldenergy a pagar multa no valor de 40 mil euros

Tribunal da Relação de Lisboa e o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão confirmaram a decisão da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) por multar a Goldenergy por não dispor de um sistema de atendimento telefónico eficaz entre 2014 e 2015.
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Advogados elogiam pedido de constitucionalidade da lei que obriga denúncias de evasão fiscal

A Provedora de Justiça pediu ao Tribunal Constitucional a 15 de setembro que fiscalize a lei publicada a 21 de julho de 2020 que transpôs uma diretiva europeia, estabelecendo a obrigação de comunicação à AT a de determinados mecanismos internos ou transfronteiriços com relevância fiscal.
Comentários