Ex-procuradora-geral da República diz que “juízes têm que estar bem assessorados”

Joana Marques Vidal referiu-se a resistências dos juizes em contar com ajuda de especialistas e aos tribunais em que é sempre a mesma pessoa a julgar.

Cristina Bernardo

A ex-procuradora-geral da República Joana Marques Vidal disse nesta segunda-feira que os juízes “têm que estar bem assessorados” por assessores especializados que lhes expliquem o funcionamento das matérias que estão em causa nos processos.

”Esses assessores não estão lá para julgarem no lugar dos juizes, mas sim para os ajudarem a julgar”, salientou Joana Marques Vidal no debate “A Corrupção e Autonomia do Ministério Público”, que fez com o jornalista Luís Rosa nas instalações da SEDES.

Apesar disso, a ex-procuradora-geral admitiu que os juizes ainda têm alguma resistência a recorrer a especialistas que lhes permitam entender melhor certas matérias.

Marques Vidal também exprimiu reservas quanto ao facto de “ser sempre a mesma pessoa a julgar”, como sucede no Tribunal Central de Instrução Criminal, em que Carlos Alexandre foi durante muito tempo o único juiz titular, juntando-se-lhe mais recentemente Ivo Rosa.

Relacionadas

Joana Marques Vidal diz que magistrados já têm regras e sindicâncias de auto-regulação

Referindo-se à violação do segredo de justiça, Joana Marques Vidal disse que “os jornalistas não publicam tudo o que sabem, pois têm algum cuidado”.

Joana Marques Vidal quer estratégia nacional contra a corrupcão

Ex-procuradora-geral da República, que foi à SEDES falar sobre autonomia do Ministério Público, salientou que a corrupção “põe em causa a confiança dos cidadãos nas suas estruturas políticas e por isso põe em causa em democracia”.

Ex-procuradora-geral da República critica proposta socialista de dar autonomia financeira à PGR

Joana Marques Vidal diz que proposta pode pôr em causa recursos necessários para levar a cabo investigações de crimes de elevada complexidade.
Recomendadas

Chega acusa IGAI de alimentar “cultura de ódio, desrespeito e violência” contra agentes da autoridade

Requerimento de André Ventura para que a inspetora-geral Anabela Cabral Ferreira explique aos deputados o Plano de Prevenção de Manifestações de Discriminação nas Forças e Serviços de Segurança alega que monitorização das redes sociais dos polícias demonstra “prepotência a autoritarismo”.

Tribunal de Contas dá luz verde às contas da Presidência da República, deixa dois elogios e faz três recomendações

TdC elogia o empenho do Palácio de Belém na “prestação atempada das contas relativas ao ano económico de 2019, não obstante as exigências decorrentes da situação pandémica Covid-19”, mas deixa três recomendações para este ano.

Presidente da Iniciativa Liberal diz que “poderes políticos puseram conscientemente em causa a vida das pessoas por motivos ideológicos”

João Cotrim Figueiredo disse que “não houve ninguém do PS para a esquerda que tivesse a hombridade” de reconhecer que a contratação de consultas de especialidade e de cirurgias aos hospitais privados era uma forma de evitar uma segunda crise de saúde pública “escondida por debaixo da Covid-19”.
Comentários