Exclusão do Porto nas novas rotas da TAP é “o preço a pagar” pelo plano de reestruturação

O Presidente da República considera que a a TAP “foi muito afetada” pela quebra do turismo e que “isso coincidiu com um processo de reestruturação que tem um preço”.

Miguel Figueiredo Lopes/Presidência da República handout via Lusa

Marcelo Rebelo de Sousa considera que a exclusão do Porto no programa de novas rotas anunciado pela TAP, esta segunda-feira, é “o preço a pagar” pelo plano de reestruturação da companhia aérea agora em curso.

Questionado sobre se o Governo devia ter assumido uma posição mais determinante quanto a esta decisão que pode ser prejudicial para o turismo no Norte do país, o Presidente da República afirma que a “operadora aérea foi muito afetada” e que “isso coincidiu com um processo de reestruturação que tem um preço”.

“Esse preço sendo global tem preços específicios”, afirmou aos jornalistas, esta terça-feira, no Porto. “Eu espero que se ultrapasse essa fase porque faz muita falta” que quer a TAP quer outras companhias aéreas “possam cumprir uma missão que é essencial para o turismo de Portugal e do Porto”.

Em causa está o anuncio de que a TAP vai inaugurar seis novas rotas a partir de outubro, sendo que apenas uma delas partirá do Porto. Segundo o “Jornal de Notícias” o plano de retoma de atividade da TAP vai assentar no aeroporto de Lisboa. A companhia aérea vai repor vários voos para a Europa, África, Brasil e Estados Unidos já em outubro, tudo com partida do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, deixando, uma vez mais, o Porto – que terá apenas uma nova rota, com início em dezembro, para a ilha do Sal, em Cabo Verde – fora do plano de recuperação da companhia.

No site da empresa pode ler-se que em outubro vão ser retomadas diversas ligações, nomeadamente para Bilbau, Oslo, Chicago, Porto Alegre, Natal e Maputo, mas tudo a partir de Lisboa, e que vai ser aumentado o número de voos de Lisboa para Paris, Londres, Rio de Janeiro ou São Paulo.

Apesar de tudo, a TAP garante que não anunciou ainda o total da sua operação para o verão 2021. “A companhia tem vindo a repor gradualmente a sua operação, mas a recuperação é lenta, tal como as projeções da IATA apontam. Para o próximo ano, a previsão mais pessimista da IATA indica uma atividade inferior até 60% face à do ano de 2019”, adianta a nota.

Sobre o turismo, Marcelo Rebelo de Sousa considera que Portugal foi exemplo na resitência à quebra do turismo numa altura em que o país atravessa uma pandemia provocada pela Covid-19.

Falando aos jornalistas, esta terça-feira, no Porto, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que se assistiu a “uma retoma lenta e difícil em agosto” no setor do turismo e que agora a “luta” vai continuar durante o mês de setembro, período em que se começa a verificar uma recuperação “lenta” e “com muita dificuldade”.

“Fomos em busca de mercados diferentes, e os portugueses foram exececionais”, enalteceu. “O tursimo nacional ultrapassou-se, algo que não era possível em plena pandemia”.

Apesar das dificuldades que Portugal atravessa numa altura em que se assiste a uma quebra do PIB derivada, em parte, da quebra do turismo, Marcelo mantém o otimismo, dizendo que “quem resisitu, como nós resistismos, aos tempos mais dificeis do tursimo vais resistir agora”.

 

Ler mais

Relacionadas

TAP anuncia criação de seis novas rotas. Uma destas parte do Porto

TAP vai repor voos em outubro e criar seis novas rotas no verão de 2021. Mas tudo a partir do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. Porto só tem uma nova rota.
Recomendadas

Com viabilização na generalidade garantida, Parlamento começa a discutir hoje o OE2021

Enquanto o Governo e o Bloco de Esquerda entraram em ruptura, o Parlamento começa a debater na generalidade o Orçamento do Estado para 2021. Responsabilidade política, SNS e apoios às empresas deverão marcar a discussão.

Sócios-gerentes recebem apoios retroativos dia 5 de novembro, diz Governo

“O pagamento será feito na primeira semana de novembro, em princípio, no dia 5”, afirmou Gabriel Bastos, no parlamento, em reposta ao deputado do PCP Duarte Alves, na Comissão de Orçamento e Finanças, no âmbito da discussão na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

OE2021: Novo apoio social afinal vai abranger 250 mil trabalhadores

O novo apoio social previsto na proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) deverá afinal abranger 250 mil pessoas e ter um custo de 633 milhões de euros, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.
Comentários