Execução dos fundos europeus: deputados e Governo Regional da Madeira defendem políticas eficazes

O JE celebra o seu quarto aniversário no dia 16 de setembro. Para marcar a ocasião, pedimos a 33 lideres (das áreas da economia, política e sociedade) as receitas que podem ajudar o país a sair de uma crise inesperada. Leia aqui os textos de Paulo Rangel, eurodeputado do PSD, Pedro Calado, vice-presidente do Governo Regional da Madeira e João Cotrim Figueiredo, deputado e presidente da Iniciativa Liberal.

 

Paulo Rangel, eurodeputado do PSD

O primeiro objectivo deve ser a recuperação robusta e consistente, tão rápida quanto possível. De nada vale uma recuperação rápida, se frágil e reversível. Para tanto, temos de apostar no planeamento estratégico. Os prazos são apertados e o Governo perdeu tempo. Enquanto respondíamos à vaga inicial, muito trabalho podia ter sido feito, usando a administração e as universidades em concertação com os partidos e os parceiros sociais. O Plano Costa e Silva não é um plano: é um guião estratégico, sem quantificação e sem escolhas claras.

A digitalização e o ambiente têm de ser prioridades horizontais. Não faz sentido reerguer a “velha” economia: a terrível destruição em curso tem de ser aproveitada para saltar etapas tecnológicas e ambientais. A energia e a mobilidade ferroviária devem ser eixos de alívio dos “custos de contexto”. O regresso à indústria, altamente digitalizada e “circular”, é crucial; diminuindo o sobrepeso dos serviços na economia. O mar e os recursos marinhos (pesca incluída) têm de ser uma aposta. Investigação científica, por um lado, e ensino técnico adequado, por outro, devem ser o foco dos recursos humanos. A infraestruturação de internet “universal” – vital para a educação – deve ser uma meta.

Este tipo de medidas sectoriais deve ser alavancado por três linhas políticas: escrutínio rigoroso e público do uso dos fundos; reforma do sistema de justiça, no acesso e celeridade; descentralização territorial, assegurando coesão interna (e não apenas europeia).

 

Helder Santos

Pedro Calado, vice-presidente do Governo Regional da Madeira

Apesar de a Região não ter sido auscultada antecipadamente nos trabalhos preparatórios do Plano de Recuperação Económica de Portugal, o Governo Regional entendeu ser essencial apresentar o seu contributo no âmbito da consulta pública, que decorreu durante o mês de agosto, expressando a sua posição e apresentando um conjunto alargado de sugestões de resposta à profunda crise económica e social provocada pela pandemia Covid-19.

Apesar de as preocupações constantes no documento estratégico nacional serem, em grande medida, partilhadas pelo Governo da Madeira, existem especificidades regionais que se apresentam como elementos diferenciadores do todo nacional e que a Região destaca no documento apresentado.

Consideramos que a garantia da continuidade territorial, por exemplo, tem de ser assumida como uma prioridade e uma forma de promoção da competitividade, tanto no continente, como nas regiões autónomas, vincando bem o reforço de políticas e investimentos aéreos e marítimos.

Ao nível da qualificação da população, da aceleração da transição digital, das infraestruturas digitais, da ciência e da tecnologia, reforçamos, também, a pretensão da Madeira criar um polo de excelência no turismo e na inovação tecnológica, com uma aposta nas áreas de especialização inteligente, em sectores como o turismo, o mar e a economia circular.

Noutra área estratégica, defendemos que o rumo terá de passar por manter e elevar a prestação de cuidados de saúde de qualidade a toda a população, com especial enfoque nos menos jovens. Da mesma forma, em matéria de estado social, consideramos ser determinante a intervenção do setor público e a orientação de fundos europeus que fomentem a criação de emprego.

Entre outras medidas apresentadas, o Governo regional defende ser determinante o Centro Internacional de Negócios, para que se possa operar a diversificação e reindustrialização da economia, bem como a defesa de um sistema fiscal próprio, que vá ao encontro das especificidades da Região.

 

Cristina Bernardo

João Cotrim Figueiredo, deputado e presidente da Iniciativa Liberal

Perdido na contemplação do seu próprio umbigo e apenas preocupado com a manutenção do seu poder, o Governo do Partido Socialista limita-se a gerir a conjuntura. Talvez gerir seja a palavra errada, dado que o que preocupa mesmo os socialistas é o impacto mediático das coisas.

Este misto de desorientação e superficialidade explica por que razão o PS não conseguiu, nestes meses todos, arranjar meia-hora para explicar aos portugueses que a dimensão, a natureza e duração da crise que começamos a enfrentar tem contornos realmente inéditos na história da Humanidade.

A Iniciativa Liberal tem vindo, desde o primeiro momento a alertar para aquilo que é diferente – e perigoso – nesta crise. Teremos, tudo indica, uma contração económica sem precedentes desde que existem registos fidedignos. Teremos esse nível de contração em todos os países desenvolvidos em simultâneo e sem exceções. Esta crise acontece antes da recuperação plena da anterior, e numa situação nunca vista de taxas de juro persistente e sustentadamente negativas, tornando as alavancas da política monetária basicamente inúteis.

Todas estas realidades novas não têm sido suficientemente salientadas, e muito menos debatidas, em Portugal, onde o Governo acha que pode traçar um rumo seguro ‘por mares nunca antes navegados’ tendo ao leme um marinheiro solitário como o para-ministro Costa e Silva.

O único que é certo quanto à recuperação que Portugal terá de fazer é que ela não ocorrerá se aplicarmos as mesmas medidas estatizantes que nos condenaram a 25 anos de estagnação económica. Mais: a saída para esta crise estará sempre nos cidadãos e na sua capacidade de encontrar caminhos novos, e não num Estado dirigista que acha que sabe o que é melhor para a economia e para as pessoas.

E do que precisamos realmente é de estímulo a essas muitas vontades e capacidades individuais: menos impostos, menos burocracia, justiça mais célere e, já que vem dinheiro da Europa, uma aplicação racional e rigorosa dos dinheiros públicos que evite compadrio que alguns gostariam de perpetuar.

Ler mais
Recomendadas

Retoma em Portugal: Líderes das escolas de negócios destacam digitalização e confiança a investidores privados

O JE celebra o seu quarto aniversário no dia 16 de setembro. Para marcar a ocasião, pedimos a 33 lideres (das áreas da economia, política e sociedade) as receitas que podem ajudar o país a sair de uma crise inesperada. Leia aqui os textos de Céline Abecassis-Moedas, diretora da Formação de Executivos da Católica Lisbon, School of Business & Economics e Clara Raposo, presidente do ISEG.

Líderes empresariais analisam caminhos para a retoma económica em Portugal

O JE celebra o seu quarto aniversário no dia 16 de setembro. Para marcar a ocasião, pedimos a 33 lideres (das áreas da economia, política e sociedade) as receitas que podem ajudar o país a sair de uma crise inesperada. Leia aqui os textos de Humberto Pedrosa, presidente do Grupo Barraqueiro, Carlos Gomes da Silva, CEO da Galp Energia, Luís Teixeira, COO da Farfetch, Carla Rebelo, CEO da Adecco em Portugal, João Alves, Country Managing Partner da EY Portugal, João Bento, CEO dos CTT e Luís de Sousa, CEO & Founder do Grupo ACIN.

Líderes da banca em Portugal analisam como vai ser a retoma da economia

O JE celebra o seu quarto aniversário no dia 16 de setembro. Para marcar a ocasião, pedimos a 33 lideres (das áreas da economia, política e sociedade) as receitas que podem ajudar o país a sair de uma crise inesperada. Leia aqui os textos de Miguel Maya, CEO do Millennium bcp, Pedro Castro e Almeida, CEO do Santander Portugal e Francisco Cary, administrador da Caixa Geral de Depósitos.
Comentários