Exército sueco vai passar a integrar mulheres com medo da Rússia

O governo da Suécia pretende restabelecer o serviço militar através de recrutamento e planeia incorporar mulheres para “oferecer resistência à Rússia”. O medo de uma guerra no mar Báltico está a instalar-se na Escandinávia.

Segundo um artigo publicado esta semana no “Washington Post”, o governo sueco está a reforçar o recrutamento militar. Os especialistas citados pelo jornal norte-americano explicam a medida com “o medo perante a Rússia”. De acordo com o mesmo órgão de comunicação, uma sondagem recente terá concluído que 70% dos suecos estão a favor de restabelecer o serviço militar obrigatória.

“A anexação da Crimeia pelos russos e os movimentos militares ao longo das fronteiras dos países europeus nórdicos da Rússia fizeram soar os sinos de alarme nas capitais da União Europeia. Na Suécia, Finlândia e Noruega, essas preocupações são regularmente citadas no parlamento e pelos meios de comunicação,  referindo que bastam apenas algumas horas para a Rússia lançar uma invasão”, refere o jornal.

Também o centro científico britânico Chatham House referiu recentemente que a Suécia está atrasada em relação à situação de segurança na Europa.

Este medo sobre uma ameaça russa na Suécia não surge do nada. Além do “Washington Post”, o jornal sueco “Dagens nyoheter” referiu igualmente, citando fontes dos serviços secretos, a “ameaça crescente” por parte da Rússia. O jornal recorda o fato de as forças armadas suecas terem voltado a ter presença permanente na ilha da Gotlândia, no mar Báltico, após vários anos de ausência. A instalação dos militares vai ser efetuada mais cedo do que foi planeada, em 2017 e não em 2018. Apesar disso, o ministro da Defesa da Suécia, Peter Hultqvist, garantiu que não existe uma ameaça de ataque contra o país.

Suécia pode ser o primeiro país a ser atacado pela Rússia?

Este medo crescente é visível num relatório feito pelo embaixador Krister Bringéus, ex-chefe da delegação sueca na OSCE, divulgado durante o mês de Setembro, onde é referido que a Suécia poderá ser o primeiro país a ser atacado pela Rússia em caso de uma eventual guerra no mar Báltico. O documento aconselha a Suécia a aderir à NATO, pelo facto de ser incapaz de se defender sozinha contra a Rússia.

Ler mais
Recomendadas

Moody’s baixa ‘rating’ de Itália para Baa3

A agência de notação financeira enumera o enfraquecimento da força fiscal do país e a paralisação das reformas estruturais como fatores para o ‘downgrade’.

Angola. João Lourenço exonera quatro embaixadores, incluindo na CPLP

João Lourenço exonerou os embaixadores na Missão de Angola junto da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), Luís de Almeida, no México, Leogivildo da Costa e Silva, na Grécia, Isabel Mercedes da Silva Feijó, e no Canadá, Edgar Gaspar Martins.

Brasil: WhatsApp notifica empresas suspeitas de difundir mensagens contra o PT

As empresas notificadas pela rede WhatsApp são a Quickmobile, Yacows, Croc services e SMS Market, que foram citadas numa reportagem anterior do jornal brasileiro, sobre um suposto esquema de envio em massa de notícias falsas patrocinado por apoiantes do candidato à presidência do Brasil Jair Bolsonaro.
Comentários