Existem mais de mil edifícios em Lisboa em risco de colapsarem

A Câmara Municipal de Lisboa já identificou mais de mil edifícios na cidade que correm a iminência de caírem e o nível de risco está a aumentar.

A afirmação partiu de Mário Lopes, professor no Instituto Superior Técnico, especialista em engenharia sísmica e que esteve presente no Seminário da reabilitação sísmica do parque edificado, que se realizou na última quinta-feira, na Ordem dos Arquitectos.

Com um sentido crítico sobre a reabilitação sísmica efetuada em Portugal, o especialista assegura que não existe reabilitação urbana em Portugal que contemple o reforço sísmico, “salvo raras exceções  de promotores, projetistas ou empreiteiros conscientes”.

O especialista refere que existem vários argumentos para não se ter em conta a reabilitação sísmica. “O facto de se pensar em sismos pode gerar o pânico geral. O peso do imobiliário, já que existe uma desvalorização dos imóveis com menos resistência e os custos associados ao reforço sísmico, os promotores consideram que afasta os investidores”, salienta Mário Lopes.

Um custo que aumenta cerca de 12 a 33% na construção. Contudo, é na opinião do especialista totalmente justificado e dá exemplos. Em Amatrice, em Itália, no sismo de 24 de agosto de 2016, morreram mais de 300 pessoas, em Norcia, também em Itália, no sismo de 30 de outubro de 2016 não se verificaram vítimas mortais. O investigador português esteve posteriormente nos dois locais para perceber o que diferenciou os estragos avassaladores de uma localidade, para os mínimos causados na segunda. “A diferença é que em Norcia fizeram-se reforços sísmicos em todos os edifícios nos últimos quatro anos. A prova foi evidente”, explica.

Contudo, Mário Lopes assegura que “Lisboa é uma gigantesca Amatrice”.

Relacionadas

Quem fizer obras em casas terá de as preparar para resistir a sismos

O Governo está a preparar legislação que torna obrigatória a atenção à segurança sísmica na reabilitação de edifícios. O diploma deverá estar pronto “até final do ano”, diz o jornal Público, citando o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente.

Em caso de sismo em Lisboa perde-se 40% do PIB nacional

Quem compra uma casa não sabe a sua resistência a um sismo. Portugal tem um parque habitacional vulnerável e, se ocorrer um acidente desta natureza, o mais certo é a maioria dos edifícios colapsar.
Recomendadas

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).

‘Handling’ é de interesse público mas não significa salvaguardar acionista da Groundforce, diz Siza Vieira (com áudio)

Questionado sobre se o setor do turismo e hotelaria pode estar confiante de que não acontecerão novas paralisações, o ministro da Economia disse julgar que “estão criadas as condições para que isso não suceda”.
Comentários