Exportações de bens da zona euro cresceram para 197 mil milhões de euros em novembro

A zona euro registou um excedente de 25,8 mil milhões de euros em novembro de 2020 no comércio de bens com o resto do mundo. Exportações de bens começam a dar sinais de “um retorno aos níveis pré-Covid”.

As exportações de bens da zona euro para o resto do mundo aumentaram para 196,7 mil milhões de euros em novembro de 2020, e ainda que abaixo do período homólogo de 2019, quando se cifraram em 198,6 mil milhões de euros, mostram sinais de caminhar para os níveis antes da pandemia. A primeira estimativa rápida publicada esta sexta-feira pelo Eurostat aponta para um excedente do comércio internacional de bens dos países da moeda única de 25,8 mil milhões de euros em novembro.

Segundo os dados do organismo de estatística nacional, a venda de bens da zona euro ao exterior representa uma diminuição de 1%, mas “indica um retorno aos níveis pré-Covid”. Por outro lado, as importações do resto do mundo atingiram os 170,9 mil milhões de euros, uma queda de 4,2% face a novembro de 2019, quando registou 178,4 mil milhões de euros.

Como resultado, a zona euro registou um excedente de 25,8 mil milhões de euros em novembro de 2020 no comércio de bens com o resto do mundo, que comparação com o excedente de 20,2 mil milhões de euros em novembro de 2019.

O Eurostat sublinha que o comércio intra-zona euro caiu para 165,4 mil milhões de euros em novembro, uma quebra de 1,3% face a novembro de 2019.

No balanço global entre janeiro e novembro do ano passado, as exportações da zona euro atingiram os 1.941,3 mil milhões de euros, o que representa uma diminuição de 10,2% em comparação com o mesmo período de 2019. Já as importações totalizaram 1.735,8 mil milhões de euros, uma redução de 11,6% em comparação com janeiro a novembro de 2019.

Na fotografia geral, tal traduziu-se num excedente orçamental de 205,4 mil milhões de euros entre janeiro e novembro, que comparação com os 198,4 mil milhões registados em igual período de 2019.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.

PremiumEconomistas alertam para risco de crise financeira

O volume moratórias de crédito quando comparado com o resto da Europa deixa antecipar fortes impactos na banca no pós-Covid.

PremiumUnião Europeia não pode continuar “em velocidade lenta”

O painel do Observatório “A Recuperação Económica depois da Covid-19” sobre ‘O papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global’ foi unânime em considerar que a UE deu, no contexto de combate à pandemia, mais uma prova da sua endémica lentidão.
Comentários