PremiumFábrica da Nestlé Portugal exporta café da Starbucks para todo o mundo

A fábrica de São Mamede de Infesta foi uma das duas selecionadas a nível mundial para concretizar a aliança entre estes dois gigantes. A nova linha vai valer 27% da produção de café já em 2020.

Menos de um ano após ter sido anunciada a aliança entre a Nestlé e a Starbucks para a produção de café a nível global, a fábrica portuguesa da Nestlé em São Mamede de Infesta, Porto, uma das duas selecionadas à escala mundial para integrar esta parceria, já está a produzir e a exportar café.

Em poucos meses, os mercados de exportação do café Starbucks a produzir por esta unidade da Nestlé Portugal deverão atingir mais de três de dezenas de países nos cinco continentes, desde os principais mercados europeus (Reino Unido, Alemanha, França, Itália, Espanha, Holanda, República Checa, Suíça, Áustria, Hungria, Grécia, Eslovénia e países do Mar Adriático), assim como países de outros continentes, como a Turquia, Dubai, Koweit, Arábia Saudita, África do Sul, China, Malásia, Taiwan, Singapura, Tailândia, Indonésia, Filipinas, Brasil, Chile e países da Oceânia. E esta lista tem tendência para aumentar, até porque a partir do final deste mês de julho vai alargar o número de mercados de exportação com que esta unidade vai começar a trabalhar.

“A fábrica da Nestlé no Porto tem uma capacidade de produção entre as 16 e as 17 mil toneladas de café por ano, dependendo do mix de produtos. Com esta nova linha de produção para a Starbucks, a capacidade da fábrica não aumentou, mas irá permitir-nos passar de uma quota de 27% de exportações em relação à produção com que encerrou 2018, para uma previsão de 45% de exportações do total produzido já no final deste ano”, revelou, em declarações exclusivas ao Jornal Económico, Rui Vieira, diretor desta fábrica.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários