Facebook nega acusações de tráfico de droga no Instagram

A publicação foi feita em resposta a uma publicação do ”Washington Post”, que afirma que o Instagram funciona como um ”mercado aberto” para traficantes de droga.

O Facebook desmentiu as alegações de que as plataformas e algoritmos do grupo apoiam o tráfico de drogas, um problema que parece ser predominante no Instagram.

A publicação foi feita em resposta a uma publicação do ”Washington Post”, que afirma que o Instagram funciona como um ”mercado aberto” para traficantes de droga.

De acordo com a noticia, os resultados de pesquisas de ”#oxy” e ”#percocet” (oxicodona/paracetamol) no Instagram remetem para contas de traficantes que vendem essas substâncias ilegais. Embora essas hashtags tenham sido removidas, a ”Sky News” encontrou ”mais de dezenas de termos de pesquisa” para medicamentos com nomes ligeiramente incorretos ou apelidos comuns que continuam a remeter para as mesmas contas.

Com base nas pesquisas feitas pela empresa GIPEC (uma agência de pesquisas da deep web), ”seguir” ou ”gostar” dessas publicações na app faz com que o feed dos usuários seja preenchido com anúncios de traficantes de drogas.

O Facebook revelou, em comunicado, que os resultados são enganosos, acusando a agência de criar ”um feed artificial do Instagram,” que segue ”apenas conteúdo questionável e algumas contas de marca”.

”Este tipo de alimentação manufaturada não é uma representação real do que a maioria das pessoas vê no Instagram”, acrescenta a nota.

Monika Bickert, vice-presidente da gestão de políticas globais do Facebook sublinhou que o Facebook bloqueia e filtra “centenas de termos associados à venda de drogas” e que  ”investiga o material” que lhes é relatado.

Ler mais
Relacionadas

Facebook monta “sala de guerra” para impedir manipulação de eleições no Brasil e EUA através de notícias falsas

A campanha eleitoral no Brasil é o primeiro grande teste ao novo sistema. Constituída por profissionais de diversas áreas, a “sala de guerra” vai monitorizar as publicações no Facebook para detetar notícias falsas e intervir no sentido de impedir a sua disseminação. Sergio Denicoli tem acompanhado o desenvolvimento da campanha nas redes sociais e duvida que a auto-regulação tenha eficácia.

Facebook cai mais de 2% e Wall Street abre com subidas ligeiras

Principais índices norte-americanos abrem sessão com poucas oscilações. Disputa comercial entre China e EUA e discurso do presidente da Fed está a deixar os investidores indecisos.
Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários