Facebook suspende lançamento da Libra até “resolver dúvidas regulatórias”

Desde que a criação da moeda digital foi anunciada, três bancos centrais – Reserva Federal, Banco Central Europeu e Banco de Inglaterra –  mostraram estar cautelosos com os efeitos do lançamento da criptomoeda do Facebook.

A empresa tecnológica Facebook assumiu que não vai lançar a criptomoeda Libra até ver as dúvidas regulatórias resolvidas, avança o jornal espanhol ‘Cinco Días’.

“O Facebook não vai oferecer a moeda digital Libra até que tenha resolvido completamente as dúvidas regulatórias e recebido as devidas aprovações”, afirmou o presidente da Calibra, David Marcus, num discurso divulgado na passada segunda-feira, 15 de julho.

O responsável pela empresa Calibra concordou com o presidente Reserva Federal (Fed), Jerome Powell, assegurando que o processo de examinar a moeda digital tem de ser “paciente e rigoroso”. “O tempo entre o momento atual e o lançamento da moeda, foi projetado para ser um processo aberto e sujeito a escrutínio regulatório”, admitiu David Marcus, esperando que seja um processo de revisão “mais amplo, abrangente e cuidadoso”.

Desde que a criação da moeda digital foi anunciada, três dos principais bancos centrais – Reserva Federal, Banco Central Europeu e Banco de Inglaterra –  mostraram estar cautelosos com os efeitos do lançamento de uma criptomoeda do Facebook pode ter no mercado.

No entanto, o responsável assumiu que a Associação Libra, que vai gerir o blockchain da moeda digital, “não tem intenção de concorrer com outras moedas soberanas ou entrar no campo da política monetária”. David Marcus assumiu que a Libra vai trabalhar com a Fed e com outros bancos centrais para garantir que não concorra com outras moedas em vigor. “A política monetária é, apropriadamente, a providência dos bancos centrais”, sublinhou.

Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos EUA, revelou uma “séria preocupação” em relação à moeda criada pelo Facebook em conjunto com 27 empresas. Mnuchin revelou ainda que a criptomoeda vai ser analisada devido ao seu possível carácter “especulativo e potencial uso para lavagem de dinheiro”.

“O Departamento do Tesouro manifestou sérias preocupações de que ‘Libra’ possa ser usada para lavagem de dinheiro e terroristas financeiros”, disse Mnuchin em entrevista à imprensa. O secretário acrescentou ainda que o gigante tecnológico “tem muito trabalho a fazer para convencer” a pasta do Tesouro sobre a segurança da moeda digital, tendo já realizado várias reuniões com os responsáveis das empresas.

Ler mais
Recomendadas

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.

BdP: empréstimos às empresas cresceram em outubro

Já quanto aos empréstimos a particulares, o BdP diz ter registado uma variação de 6,9% em outubro, quando em setembro registara uma taxa de variação de 7,2%.

BCE mantém as exigências de capital ao BPI para 2020

Aí estão os requisitos de capital que o BCE impõe ao BPI para 2020 em função da qualidade do seu balanço. Estes requisitos implicam que o patamar mínimo de CET1 a partir do qual o Banco BPI teria restrições, em 2020, às distribuições de dividendos, é de 9.38%. O BPI tem um rácio de capital core de 12,7% a 30 de setembro deste ano.
Comentários