Facebook suspende lançamento da Libra até “resolver dúvidas regulatórias”

Desde que a criação da moeda digital foi anunciada, três bancos centrais – Reserva Federal, Banco Central Europeu e Banco de Inglaterra –  mostraram estar cautelosos com os efeitos do lançamento da criptomoeda do Facebook.

A empresa tecnológica Facebook assumiu que não vai lançar a criptomoeda Libra até ver as dúvidas regulatórias resolvidas, avança o jornal espanhol ‘Cinco Días’.

“O Facebook não vai oferecer a moeda digital Libra até que tenha resolvido completamente as dúvidas regulatórias e recebido as devidas aprovações”, afirmou o presidente da Calibra, David Marcus, num discurso divulgado na passada segunda-feira, 15 de julho.

O responsável pela empresa Calibra concordou com o presidente Reserva Federal (Fed), Jerome Powell, assegurando que o processo de examinar a moeda digital tem de ser “paciente e rigoroso”. “O tempo entre o momento atual e o lançamento da moeda, foi projetado para ser um processo aberto e sujeito a escrutínio regulatório”, admitiu David Marcus, esperando que seja um processo de revisão “mais amplo, abrangente e cuidadoso”.

Desde que a criação da moeda digital foi anunciada, três dos principais bancos centrais – Reserva Federal, Banco Central Europeu e Banco de Inglaterra –  mostraram estar cautelosos com os efeitos do lançamento de uma criptomoeda do Facebook pode ter no mercado.

No entanto, o responsável assumiu que a Associação Libra, que vai gerir o blockchain da moeda digital, “não tem intenção de concorrer com outras moedas soberanas ou entrar no campo da política monetária”. David Marcus assumiu que a Libra vai trabalhar com a Fed e com outros bancos centrais para garantir que não concorra com outras moedas em vigor. “A política monetária é, apropriadamente, a providência dos bancos centrais”, sublinhou.

Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos EUA, revelou uma “séria preocupação” em relação à moeda criada pelo Facebook em conjunto com 27 empresas. Mnuchin revelou ainda que a criptomoeda vai ser analisada devido ao seu possível carácter “especulativo e potencial uso para lavagem de dinheiro”.

“O Departamento do Tesouro manifestou sérias preocupações de que ‘Libra’ possa ser usada para lavagem de dinheiro e terroristas financeiros”, disse Mnuchin em entrevista à imprensa. O secretário acrescentou ainda que o gigante tecnológico “tem muito trabalho a fazer para convencer” a pasta do Tesouro sobre a segurança da moeda digital, tendo já realizado várias reuniões com os responsáveis das empresas.

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em créditos problemáticos até fim do ano

O Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em crédito malparado até ao final do ano, segundo disse o presidente executivo, António Ramalho, à agência de informação financeira Bloomberg.
Comentários