Falência da Thomas Cook leva ao encerramento de 500 hotéis em Espanha

Das 500 unidades hoteleiras, 100 dependiam em exclusivo da operadora de viagens britânica, enquanto nas outras 400, o volume de clientes variava entre 30% e 70%. Os destinos turísticos mais afetados são as Ilhas Canárias e Baleares, com 40%.

A falência da Thomas Cook vai provocar o encerramento de 500 hotéis em Espanha e uma dívida que poderá ascender a mais de 200 milhões de euros, segundo conta o portal espanhol “CincoDías” esta terça-feira, 1 de outubro.

“Vão ser muito mais. Só a soma de oito unidades hoteleiras atinge os 100 milhões. Acho que vai exceder e muito esse número”, afirma em entrevista ao “CincoDías”, Juan Molas, presidente da confederação espanhola de hotéis e alojamentos turísticos, que representam 15 mil estabelecimentos.

Das 500 unidades hoteleiras, 100 dependiam em exclusivo da operadora de viagens britânica, enquanto nas outras 400, o volume de clientes variava entre 30% e 70%. Os destinos turísticos mais afetados são as Ilhas Canárias e Baleares, com 40%, seguidos pela Costa del Sol, com 20%, e Catalunha e comunidade Valenciana, com 10%.

Juan Molas alerta que o verdadeiro problema surgirá a partir do dia 6 de outubro, o último dia do repatriamento dos turistas que se encontram presos em vários destinos turísticos pelo encerramento da Thomas Cook, mas também o último dia em que o seguro cobre as despesas dos passageiros deslocados pela operadora de viagêns britânica.

Para tentar controlar esta situação, Juan Molas elaborou um plano de contingência que será apresentado ao Ministro da Indústria, Comércio e Turismo, Reyes Maroto, no próximo Conselho de Turismo de Espanha, marcado para o dia 7 de outubro, com uma prioridade: resolver a ligação aérea com as Ilhas Canárias.

Relacionadas

Hoteleiros do Algarve pedem celeridade no crédito para enfrentarem prejuízos da Thomas Cook

Os empresários da hotelaria algarvios solicitaram ao Turismo de Portugal uma resposta célere para que “rapidamente sejam concedidos os créditos de tesouraria” para fazerem face aos prejuízos da falência da Thomas Cook.

Governo anuncia linha com 150 milhões de euros para empresas afetadas pela falência da Thomas Cook

As empresas afetadas pela insolvência do operador turístico Thomas Cook vão ter à disposição uma linha de apoio com um montante até 1,5 milhões de euros para financiar necessidades de tesouraria, anunciou hoje o Governo.

Thomas Cook: Madeira e Algarve com 2,25 milhões de euros para plano especial de promoção

A verba vai servir para responder “à quebra naqueles que são os dois destinos nacionais mais dependentes” da Thomas Cook.
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários