Falhas no acesso a medicamentos devem-se à globalização, revela ministra da Saúde

A ministra notou que “nos últimos meses, em Portugal, mas também em outros países, têm sido reiteradas as notícias sobre falhas no acesso a determinados medicamentos” e apontou que “um dos tópicos centrais da agenda de hoje foi exatamente a discussão entre os vários Estados-membros, entre os vários ministros da Saúde, sobre estratégias de forma a enfrentar essas dificuldades”.

A ministra da Saúde afirmou hoje, à saída de uma reunião em Bruxelas com os seus homólogos europeus, que as falhas no acesso a medicamentos estão longe de ser “um exclusivo nacional” ou prova de “falência” do Serviço Nacional de Saúde.

“Aquilo que constatámos foi que as dificuldades que o nosso país sente se sentem também em outros países. Elas são sobretudo resultantes da globalização do mercado e da deslocalização de algumas áreas de produção para países como a Índia ou a China, e uma maior dificuldade no acesso a substâncias que entram na fabricação de determinados fármacos ou a alguns fármacos em concreto”, comentou Marta Temido, em declarações aos jornalistas no final de um Conselho de ministros da Saúde da União Europeia (UE).

A ministra notou que “nos últimos meses, em Portugal, mas também em outros países, têm sido reiteradas as notícias sobre falhas no acesso a determinados medicamentos” e apontou que “um dos tópicos centrais da agenda de hoje foi exatamente a discussão entre os vários Estados-membros, entre os vários ministros da Saúde, sobre estratégias de forma a enfrentar essas dificuldades”.

Marta Temido disse ter constatado que “as estratégias dos vários países se encontram bastante alinhadas” com as decisões do Governo português “em agosto e em outubro passados”, ao nível da “introdução de mecanismos de melhor gestão de eventuais problemas, por antecipação”, da “criação de mecanismos de alerta de falhas para a identificação de soluções alternativas” e da “definição de ‘stocks’ mínimos para todos os intervenientes na cadeia do medicamento”.

“As designadas falhas e ruturas de facto não são de todo em todo um exclusivo nacional. Nós já o sabíamos e este Conselho veio demonstrar um total alinhamento da preocupação dos vários países (…), que, de uma forma muito expressiva e muito assertiva, quiseram pronunciar-se no sentido de termos uma estratégia global para o acesso ao medicamento”, afirmou.

A ministra observou que o problema das falhas no acesso a medicamento, “que muitas vezes em Portugal tem sido associado a questões estritamente do sistema de saúde português, às vezes até incorretamente a questões de falência do Serviço Nacional de Saúde” (SNS), têm de facto “raízes muito mais profundas e muito mais complexas, e que exigem portanto estratégias globais”.

A ministra escusou-se a pronunciar-se, em sede do Conselho da UE, “sobre assuntos nacionais”, como as discussões em curso com o Ministério das Finanças sobre o plano nacional de vacinação.

Ler mais
Recomendadas

“Previam-se taxas de abstenção superiores”. Marcelo elogia “esforço enorme” dos portugueses para votar

“Havia sempre um ciclo de abstenção nas reeleições. Foi possível quebrar isso por comparação com as eleições anteriores, ainda para mais em pandemia”, disse, numa breve declaração aos jornalistas, à chegada a casa, em Cascais.
Aviso das secções de voto para as presidenciais de 2021

Projeções apontam para abstenção entre 50% e 60%

Valor da abstenção deverá superar o registado há cinco anos, mas não atingirá os valores que eram temidos devido ao receio de ir votar na pior fase da pandemia de Covid-19.

Candidatos presidenciais madeirenses têm conseguido segundo lugar na região autónoma

Edgar Silva e José Manuel Coelho conquistaram grande parte do eleitorado madeirense nas duas últimas eleições presidenciais. Desta vez não há nenhum candidato que tenha uma ligação à região autónoma.
Comentários