“Falsas urgências” correspondem a mais de 40% dos atendimentos

A falta de médicos de família, sobretudo nas grandes cidades, faz com que os utentes se desloquem aos hospitais.

Entre 1 de janeiro e 23 de novembro deste ano, 43% dos atendimentos de urgência nos hospitais foram triados como não urgentes, de acordo com a informação divulgada esta quinta-feira, 28 de novembro, pelo “Jornal de Notícias” (JN).

As designadas “falsas urgências” estão a aumentar – em 2018 a percentagem era de 41,8% e, no ano anterior, de 42% -, porque a falta de médicos de família em faz com que os utentes optem por se deslocar às unidades hospitalares.

Na zona de Lisboa e Vale do Tejo, onde faltam mais médicos de família, metade dos doentes que se dirigem ao hospital recebem pulseiras verdes e azuis, segundo o mesmo jornal.

Nos hospitais de Barcelos e de Vila do Conde/Póvoa do Varzim estão a ser implementadas medidas para aliviar as urgências, que passam por exemplo por reencaminhar os doentes não urgentes para os centros de saúde. “Estes projetos são para continuar e alargar a toda a região”, afirmou ao JN Carlos Nunes, presidente da Administração Regional da Saúde do Norte.

Recomendadas

Bastonária dos Enfermeiros toma posse com alerta para SNS “em fim de linha”

A bastonária reeleita afirmou que o país está “a falhar redondamente na missão” confiada por António Arnault, reconhecido como o “pai do SNS”, e que os números da OCDE mostram que se está a “dificultar cada vez mais o acesso a um sistema que se quer universal e tendencialmente gratuito”.

Hospitalizações psiquiátricas associadas a canábis cresceram quase 30 vezes em 15 anos

O trabalho analisou as hospitalizações registadas em todos os hospitais públicos de Portugal continental, entre 2000 e 2015. No total, a equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto registou 3.233 hospitalizações, que oscilaram entre os 20 internamentos registados em 2.000 e os 588 internamentos identificados em 2015.

SNS: Despesa com médicos tarefeiros e horas extra pode bater novo recorde este ano

Custos dispararam mais de 50% em vários hospitais e recorde de despesa atingido em 2018 pode voltar a ser batido este ano.
Comentários