Faltou ao trabalho durante dez anos mais foi absolvido pela Justiça

Durante uma década, Carlos Récio só apareceu para picar o ponto. Recebeu três mil euros por mês sem nunca trabalhar.

O funcionário do Arquivo Geral e Fotográfico de Valência que esteve 10 anos sem ir trabalhar, apesar de continuar a receber salário – cerca de 50 mil euros por ano – não cometeu qualquer crime, concluiu o Ministério Público (MP) espanhol, que decidiu arquivar a queixa com o argumento de que Carles Recio alertou os seus superiores para a sua situação e que estes o ignoraram.

O funcionário da assembleia da província de Valência, em Espanha, que foi despedido no Verão de 2017 por não se ter apresentado ao serviço durante dez anos, não irá a julgamento. O Ministério Público concluiu que não está em causa nenhum crime e arquivou o caso, que tinha sido amplamente noticiado em Espanha no ano passado. Carlos Récio, o funcionário de 53 anos, argumentou que faltou por não ter secretária nem computador próprio, e o Ministério Público acabou por lhe dar razão.

Um porta-voz do Ministério Público explicou ao El País que, se Récio não tivesse informado os seus superiores de que não tinha um espaço de trabalho, a decisão teria sido diferente. Mas neste caso, o funcionário tinha apresentado pedidos para que lhe fosse atribuído um computador e um local para trabalhar — só que as chefias nunca responderam.

Segundo os colegas, a sua rotina consistia em picar o ponto às 7h30 e às 15h30 — sem que, no entanto, se sentasse a trabalhar. Algumas testemunhas contaram ao El País que Récio chegou mesmo a aparecer de robe e chinelos.

Recomendadas

Trabalhadores da TST em greve este domingo e segunda-feira por aumentos salariais

Os trabalhadores da Transportes Sul do Tejo (TST) voltam a paralisar este domingo e na segunda-feira pelo aumento de salários e diminuição da carga horária.

Investimento captado através dos vistos ‘gold’ em abril cai 17,8% para 52,2 milhões de euros

Em abril, o investimento proveniente de Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI) totalizou 52.288.163,23 euros, uma redução de 17,8% face a igual mês de 2018.

Benfica é campeão e já há contas para o dinheiro da Champions

Precisava apenas de um empate, mas ganhou. O F.C. Porto também , mas de pouco lhe valeu. O acesso direto à Champions pode valer aos novos campeões mais de 40 milhões de euros.
Comentários