Família Azevedo aumenta o preço da OPA sobre a Sonae Capital em 10%

A Efanor, holding da família Azevedo, reviu em alta o preço da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Sonae Capital. Paga agora 77 cêntimos em vez dos anteriores 70 cêntimos. Esta OPA sobre a Sonae Capital decorre em simultâneo com uma oferta sobre a Sonae Indústria. O Grupo Sonae quer retirar ambas de bolsa.

A Sonae anunciou no site da CMVM a revisão em alta de contrapartida oferecida no contexto da oferta pública geral e voluntária de aquisição de ações representativas do capital social da Sonae Capital.  A Efanor Investimentos revê em alta de 10% preço na OPA sobre a Sonae Capital pagando agora 77 cêntimos por ação em vez dos anteriores 70 cêntimos.

“Na presente data, o Conselho de Administração da Efanor Investimentos, SGPS, deliberou rever em alta a contrapartida da Oferta, de 0,70 euros para 0,77 euros. Foi já solicitada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários a aprovação da correspondente adenda ao prospeto da Oferta, de modo a refletir nos documentos da Oferta os seus novos termos”, lê-se no comunicado. Não é explicado o motivo da revisão em alta da contrapartida.

No prospeto da OPA,  a decorrer até 27 de outubro, a Efanor referia que a OPA incidia sobre 32,643% do capital da Sonae Capital, num investimento máximo de 57.126.046,60 euros. Com a revisão da contrapartida, a holding terá de pagar mais para comprar a mesma participação.

Esta OPA decorre em simultâneo com outra OPA sobre a Sonae Indústria, e ambas visam retirar de bolsa as duas empresas.

Recomendadas

Que caminho para o hidrogénio? Shell e Schneider debateram futuro da energia na Web Summit

Ambas as empresas acreditam em apresentar aos seus clientes o maior número de opções quanto à energia que podem utilizar. No entanto, para a Schneider, o hidrogénio não tem valor económico e o futuro “será mais elétrico e a eletricidade será produzida e consumida de forma descarbonizada e descentralizada”.

CIO da Johnson & Johnson: “Ecossistema tecnológico ajudou a repensar a ciência”

As novas tecnologias aceleraram a maneira como se descobrem e produzem novos medicamentos. Combinar todos os dados disponiveis, aliá-los à ciência e colocá-los em prático são os desafios apontados ao setor farmcêutico durante os próximos anos.

AHRESP afirma que Governo “comprometeu-se a anunciar medidas” em função das propostas efetuadas

Do lado do Governo, a associação sublinha que o ministro da Economia “comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve, com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião”.
Comentários