Família Bin Laden paga ao reino da Arábia Saudita para escapar a acusações de corrupção

Bakr Binladin, acionista da maior empresa de construção da Arábia Saudita e meio-irmão de Osama Bin Laden (fundador da Al-Qaeda), foi apanhado na vaga de detenções por crimes de corrupção que envolveu vários milionários e membros da realeza saudita.

Alguns acionistas da maior empresa de construção da Arábia Saudita transferiram verbas para o reino de forma a “liquidar dívidas pendentes”, mas a empresa continua a ser privada, de acordo com um comunicado do Saudi Binladin Group emitido hoje.

Bakr Binladin, um desses acionistas e meio-irmão de Osama Bin Laden (fundador da Al-Qaeda, executado em 2011), foi apanhado na vaga de detenções por crimes de corrupção que envolveu vários milionários e membros da realeza saudita. Alguns dos detidos foram libertados, através de acordos que implicaram avultados pagamentos.

Segundo a Bloomberg, as autoridades sauditas (sob a liderança do novo rei, Salman) estimam recolher no total cerca de 100 mil milhões de dólares. Mas os detalhes do acordo com o Saudi Binladin Group não foram revelados. A empresa obteve lucros de três mil milhões em 2016.

Recomendadas

Turismo do Algarve opõe-se a taxa turística aprovada por municípios

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou hoje a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada ontem.

União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.
Comentários