Farfetch: apoiar as novas gerações de empreendedores

Promover a inovação e o empreendedorismo faz parte da estratégia de José Neves. A segunda edição da aceleradora da Farfetch foi desenvolvida em cooperação com as marcas de moda Stella McCartney e Burberry.

Farfetch

A Sozie foi uma das finalistas da segunda edição do Dream Assembly, um programa de aceleração de startups promovido pela Farfetch, e que terminou no mês passado. José Neves chegou às cinco horas da tarde ao quarto piso do Rooftop Kitchen, um café panorâmico na zona leste de Londres, uma das mais tech da capital britânica. Trocou algumas palavras com investidores e elementos das startups que participaram no segundo do Dream Assembly.

Além da Sozie estiveram também outras projetos: Thrift+; Save Your Wardrobe; To the Market; Panoply City; Material World, Good on You, EON Group. “O trabalho que está a ser feito por estas empresas é realmente impressionante, não só na área da sustentabilidade. Toda a indústria da moda de luxo, incluindo a Farfetch, pode beneficiar ao dar apoio à nova geração de empresas tecnológicas que querem moldar o futuro do e-commerce”, diz o fundador da empresa ao Jornal Económico.

A startup britânica Sozie foi uma das que mais deu nas vistas. Ela permite que qualquer mulher se inscreva na sua aplicação e seja remunerada para servir de modelo para outras mulheres, com a mesma estrutura corporal, experimentando roupas por elas.

As medidas corporais de cada modelo e a sua localização são cruzadas com os artigos de cada marca presente na App. Quando uma cliente precisar, a sua sósia mais perto é notificada a deslocar-se à loja para experimentar a roupa.

Foi este o projeto que, em dois minutos, Tahreem Arshad apresentou a todos os investidores que estavam presentes no Demo Day do Dream Assembly, em Londres. No total, foram oito os candidatos que tiveram direito a um pitch que convencesse os investidores. Nos últimos dois meses e meio tinham participado em workshops, programas de mentoring e muitas reuniões com líderes da Farfetch e de empresas parceiras.

O programa começou em Lisboa, em abril, e terminou em Londres, em junho. A segunda edição da aceleradora da Farfetch foi desenvolvida em cooperação com as marcas de moda Stella McCartney e Burberry. Algumas destas empresas têm mesmo sorte e acabam por se tornar parceiras da empresa de José Neves. E têm um mundo para desbravar.

Recorde-se que a plataforma da Farfetch terminou 2018 com 1,4 milhões de clientes ativos, reunido mais de um milhar de boutiques de moda de luxo, e a operação expandiu-se com escritórios em todas as geografias. Atualmente, o foco está virado para a China. “Eu penso que nós já construímos uma plataforma para este setor que nunca teve uma. Só que não está completa. Há ainda muita coisa para fazer, marcas para trazer ou mercados para conquistar. Portugal é o país onde construímos a plataforma e onde temos a base de engenharia. Se voltasse a fazer tudo de novo, fazia da mesma forma”.

Ler mais
Recomendadas

Coalition compra startup que foi fundada por portugueses e ajudou a encontrar erro da Microsoft

A nova proprietária da BinaryEdge já está a utilizar a tecnologia de ‘rastreio’ na Internet da para monitorizar de forma contínua as mais de 10 mil organizações que a escolheram a Coalition como companhia de seguros online.

Governo da Madeira vai conceder apoio a empresas inovadoras na economia verde e azul

A secretária regional da inclusão Social e Cidadania disse que uma das prioridades é a promoção de políticas de emprego pró-ativas que diminuem o risco de pobreza e conduzam à coesão social.

Empreendedores australianos são quem mais teme que alterações climáticas prejudiquem as suas empresas

Os incêndios florestais que devastam parte da Austrália já representam uma fatura próxima dos 630 milhões de euros para o setor segurador. Preocupação pelas alterações climáticas é 48% mais elevada que a média global.
Comentários