Farfetch lança projeto de 2,3 milhões de euros para desenvolver ‘chatbots’

O iFetch, que será lançado em parceria com a Universidade Nova de Lisboa e o Instituto Superior Técnico, é cofinanciado pelo Governo através do Portugal 2020.

A Farfetch anunciou esta quinta-feira que vai lançar um projeto inovador, no valor de 2,3 milhões de euros, para desenvolver uma nova geração de agentes de conversação online (chatbots) que melhorem a experiência dos clientes antes, durante e depois da compra.

Chama-se “iFetch”, prevê-se que esteja concluído no máximo daqui a três anos e conta com parceiros de renome da academia, a Universidade Nova de Lisboa e o Instituto Superior Técnico. O projeto, cofinanciado pelo Governo através do programa Portugal 2020, pretende revolucionar o comércio eletrónico na moda de luxo.

Como? Através de plataformas de conversação que permitam uma interação com os consumidores com um interface multimodal (inteligência artificial), fazendo com que a experiência dos internautas (e-consumers) se assemelhe à de uma loja física.

“A área dos chatbots multimodais tem ainda muito por explorar e acredito que este é um projeto com um potencial enorme. O iFetch pode trazer inovações significativas para as compras online num futuro muito próximo, permitindo aos utilizadores ter acesso a informação de uma forma mais natural, e ajudando-os a tomar melhores decisões de compra”, afirma Luís Carvalho, vice presidente de Architecture da Farfetch.

O iFetch está enquadrado no programa da Carnegie Mellon University que visa colocar Portugal na linha da frente da inovação na área de informação e comunicação tecnológica (CMU Portugal). O executivo da Farfetch considera que a empresa já mostrou noutros projetos que “valoriza muito” a ligação à comunidade e mostra-o novamente nesta iniciativa, “com potencial para revolucionar a experiência de compra online de milhões de consumidores”.

Recomendadas

Conheça as mulheres que estão a dar cartas no negócio dos vinhos em Portugal

JE conta a história de Leonor Freitas, da Casa Ermelinda Freitas, Olga Martins, da Lavradores de Feitoria, Rita Nabeiro, da Adega Mayor, Filipa Pato, da Pato e Wouters, e Luísa Amorim, da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo e Quinta da Taboadella.

Travão de apoio ao Novo Banco é um “número de circo, mas não viola a Constituição”, diz fiscalista

A anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco, aprovada no Orçamento do Estado, não é inconstitucional, mas “gerará responsabilidade civil”, disse o antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Rogério Fernandes Ferreira, à Lusa.

Oscar Herencia: “A evolução dos seguros tem de ir para um conceito de personalização”

O futuro passa pelos “seguros à medida” em que o cliente seleciona um produto ‘umbrella’, que pode ser um seguro de vida, e depois tem um extenso leque de objetivos para criar um produto personalizado, avança o diretor geral da MetLife para a Ibéria.
Comentários