Farmacêutica portuguesa Hovione vai investir até cerca de 240 milhões de euros em nova fábrica no Seixal

Este é o maior investimento até agora anunciado para os territórios geridos pela Baía do Tejo, empresa participada da ‘holding’ estatal Parpública.

A farmacêutica portuguesa Hovione vai investir entre cerca de 210 e de 240 milhões de euros num nova unidade industrial no concelho do Seixal.

A apresentação pública do que, até ao momento, é o maior investimento na região gerida pela empresa pública Baía do Tejo, integrada na ‘holding’ estatal Parpública, será efetuada na próxima terça-feira, dia 15 de janeiro, às 11 horas, no centro de escritórios do Parque Empresarial da Baía do Tejo.

Este investimento será apresentado por Jacinto Pereira, presidente da Baía do Tejo; Guy Villax, CEO da Hovione; e Joaquim Santos, presidente da Câmara Municipal do Seixal.

Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, de 28 de outubro passado, o presidente da autarquia seixalense, adiantava que “exemplo e fruto do nosso trabalho de projeção, estabeleceram-se contactos que viabilizarão a instalação no concelho, a breve trecho, de uma grande multinacional da área das ciências da saúde, com um investimento de 200 milhões de euros e a criação de mais de 200 postos de trabalho diretos”.

Questionado sobre quem seria esse investidor e quais os prazos previstos para se concretizar esse projeto, Joaquim Santos respondeu na altura que “o início da concretização do investimento, no terreno, está previsto até ao final de 2018, mas não lhe posso adiantar mais pormenores”.

Os prazos para a concretização deste projeto derraparam, podendo agora apontar-se para o arranque das obras durante o primeiro trimestre de 2019.

Ler mais
Recomendadas

Gosta de festivais e acha que até sabe vender bilhetes? Isso pode levá-lo aos bastidores

A startup britânica Verve lançou-se esta quinta-feira no mercado nacional e está trabalhar com festivais como o Lisb-On, o RFM Somnii ou o Festival Forte. Os fãs de música e concertos podem, assim, ser também vendedores e marketeers e, depois, ganhar vales de refeições e bebidas, t-shirts, entradas nos bastidores, entre outros.

Quem paga a conta dos serviços gratuitos?

As transferências imediatas de pequenos montantes gratuitas representam mais custos e menos receita para os bancos, que não querem ficar com os custos de um serviço de uma marca que não é deles.

Uma Faixa, uma Rota, uma oportunidade, uma ameaça

A “Nova Rota da Seda” já conta com 129 países, incluindo Portugal. Ainda não sabemos ao certo que infraestruturas serão desenvolvidas, além da rede 5G da Huawei em parceria com a Altice, mas importa estarmos atentos.
Comentários