Farmacêutica portuguesa Hovione vai investir até cerca de 240 milhões de euros em nova fábrica no Seixal

Este é o maior investimento até agora anunciado para os territórios geridos pela Baía do Tejo, empresa participada da ‘holding’ estatal Parpública.

A farmacêutica portuguesa Hovione vai investir entre cerca de 210 e de 240 milhões de euros num nova unidade industrial no concelho do Seixal.

A apresentação pública do que, até ao momento, é o maior investimento na região gerida pela empresa pública Baía do Tejo, integrada na ‘holding’ estatal Parpública, será efetuada na próxima terça-feira, dia 15 de janeiro, às 11 horas, no centro de escritórios do Parque Empresarial da Baía do Tejo.

Este investimento será apresentado por Jacinto Pereira, presidente da Baía do Tejo; Guy Villax, CEO da Hovione; e Joaquim Santos, presidente da Câmara Municipal do Seixal.

Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, de 28 de outubro passado, o presidente da autarquia seixalense, adiantava que “exemplo e fruto do nosso trabalho de projeção, estabeleceram-se contactos que viabilizarão a instalação no concelho, a breve trecho, de uma grande multinacional da área das ciências da saúde, com um investimento de 200 milhões de euros e a criação de mais de 200 postos de trabalho diretos”.

Questionado sobre quem seria esse investidor e quais os prazos previstos para se concretizar esse projeto, Joaquim Santos respondeu na altura que “o início da concretização do investimento, no terreno, está previsto até ao final de 2018, mas não lhe posso adiantar mais pormenores”.

Os prazos para a concretização deste projeto derraparam, podendo agora apontar-se para o arranque das obras durante o primeiro trimestre de 2019.

Ler mais
Recomendadas

Recorde no Airbnb. Mais de 4 milhões de pessoas reservaram alojamento numa só noite

10 de agosto foi um dia histórico para a empresa criada em 2008.

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Há outro sindicato em guerra com o Governo, agora por causa da Ryanair

“A partir deste momento, os trabalhadores portugueses ficam a saber que para o Governo português só se podem fazer greves de um ou dois dias”, acusa o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.
Comentários