Faturação da CERTIF caiu 20% no primeiro semestre deste ano

A empresa conseguiu realizar 40% das ações de acompanhamento anuais, “o que permite manter a esperança de concluir o ano com um desempenho positivo, embora abaixo das expetativas iniciais”.

Cristina Bernardo

A CERTIF, plataforma nacional especializada nos processos de certificação, faturou menos 20% no primeiro semestre deste ano, em comparação com o período homólogo de 2019, sem serem revelados os valores absolutos.

“Apesar das circunstâncias decorrentes da pandemia, a Certif conseguiu, no primeiro semestre, realizar 40% das ações de acompanhamento anuais. Novos clientes compensaram o número de anulações”, destaca um comunicado da CERTIF, sublinhando “a certificação de novas gamas de produtos de construção, em clientes que alargaram a sua oferta com novas referências”.

De acordo com o referido comunicado, “a CERTIF, líder em Portugal na certificação de produto, com quota superior a 90%, registou no primeiro semestre, uma redução de 20% na sua faturação em relação ao período homólogo do ano anterior”.

“Ainda assim, conseguiu realizar 40% das ações de acompanhamento anuais, o que permite manter a esperança de concluir o ano com um desempenho positivo, embora abaixo das expetativas iniciais”, destacam os responsáveis da empresa.

Para a administração da CERTIF, “os novos clientes compensaram o número de anulações, embora se admita que seja no segundo semestre que o impacto negativo da pandemia sobre a economia se venha a refletir no número de anulações”.

“O ano de 2020 teve um início muito prometedor, com novos projetos em preparação e novos clientes, sendo significativo o facto de a faturação no primeiro trimestre ter sido superior à do ano anterior, mesmo com redução da atividade a partir de março. Sendo a atividade da CERTIF ligada à dos seus clientes, a impossibilidade de realizar ações no terreno veio a afetar a execução do semestre”, explica o comunicado em questão.

O mesmo documento assinala que, “optando pela não realização de auditorias remotas, salvo em algumas situações identificadas como a única solução possível, foi dada prioridade ao acompanhamento dos processos, preparando o regresso às ações presenciais logo que possível”.

“Apesar das dificuldades com a realização de viagens a partir do mês de março, a faturação direta no estrangeiro no primeiro semestre foi de 48,5% do valor total”, adianta o comunicado.

 

 

Certificação de produtos

Houve lugar à certificação de novas gamas de produtos de construção, em clientes que alargaram a sua oferta com novas referências. No setor elétrico manteve-se a procura da certificados CB para exportação, estando a CERTIF a fazer as inspeções de acompanhamento da produção de produtos para exportação para a América do Sul.

Certificação de serviços, certificação de sistemas, e certificação de pessoas foram as áreas de atuação da CERTIF no primeiro semestre deste ano.

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários