Faturas digitais: Há “uma contradição” entre Governo e regulador, sublinha Altice

Alexandre Fonseca concorda com esta solução, mas advertiu hoje que o regulador do setor tem uma posição contrária, argumentando que a Anacom continua “a insistir em ir contra a corrente, a remar contra os operadores e a chocar de frente com as políticas do Governo.

O presidente da Altice, Alexandre Fonseca, classifica hoje como “uma contradição” as posições do Governo e do regulador das telecomunicações quanto à emissão de faturas digitais e em papel, pedindo uma rápida clarificação sobre estas medidas.

O Governo anunciou a intenção de, a partir de 2019, acabar com as faturas em papel, passando a sua emissão a ser feita de forma automática e digital. O presidente da empresa de telecomunicações concorda com esta solução, mas advertiu hoje que o regulador do setor tem uma posição contrária, argumentando que a Anacom continua “a insistir em ir contra a corrente, a remar contra os operadores e a chocar de frente com as políticas do Governo.

Alexandre Fonseca recordou hoje, em Bragança, à margem de uma cerimónia promovida pela empresa que dirige, que “há uns meses, no mesmo dia em que o Governo apresentou o seu plano Simplex, o regulador, a Anacom, apresentou uma medida que obrigava aos operadores a apresentarem faturas em papel”.

“No mesmo dia em que o Governo simplificava e digitalizava um processo tão importante para os nossos clientes, o nosso regulador vinha obrigar os operadores todos a ter faturas em papel”, afirmou, considerando que há, “claramente, uma situação de incompatibilidade” e reclamando que esta seja “forçosamente clarificada”.

O presidente da Altice defendeu que é necessário esclarecer “quem está a desautorizar quem: se é a Anacom que está a desautorizar o Governo, se é o Governo que está a desautorizar a Anacom e têm de ser tiradas responsabilidades desta incompatibilidade entre uma posição de um regulador e a posição do Governo”.

“Nós, claramente, alinhamos pela posição de, se queremos ter um país digital, temos de seguir este caminho que o Governo acabou de apresentar, mas que claramente não é o caminho que o regulador escolheu”, declarou.

Ler mais
Recomendadas

Infraestruturas de Portugal diz que “sempre” esteve disponível para “exigências” da Altice

A Infraestruturas de Portugal (IP) disse hoje que “sempre mostrou disponibilidade para aceder às exigências colocadas pela Altice”, depois da empresa ter denunciado o contrato com a IPTelecom para o enterramento de cabos de telecomunicações.

Governo considera que não existem motivos para PCP e Bloco pedirem a fiscalização da lei laboral

O ministro do Trabalho defende que não há razões para os parceiros da geringonça pedirem ao Constitucional para avaliar as alterações ao Código do Trabalho.

Governo surpreendido com decisão da Altice de rescindir contrato com IP Telecom

O Ministério das Infraestruturas manifestou-se hoje surpreendido por a Altice ter rescindido o contrato com a IPTelecom para o enterramento de cabos, apontando que em 08 de agosto “foi possível chegar a um acordo entre partes”.
Comentários