Faturas em papel a partir de janeiro só com pedido expresso do cliente

Só através de solicitação por parte do cliente é que as faturas em papel ou via e-mail serão enviadas. Medida entra em vigor para as empresas com programa informático certificado e que transmitam ao Fisco as faturas em tempo real.

Cristina Bernardo

A partir de janeiro de 2019 os comerciantes e prestadores de serviço vão ser dispensados da emissão de fatura em papel, numa medida do programa Simplex+2018, que tinha sido anunciada em junho e que será regulamentada pelo Ministério das Finanças, revela a edição do “Jornal de Notícias” desta quarta-feira.

O cliente só receberá o comprovativo do pagamento caso o solicite, sendo que poderá obtê-lo em papel ou através do e-mail. Contudo, o registo de compra não desaparece já que segue diretamente para o portal das Finanças, onde o contribuinte poderá consultá-lo.

Deste modo o cliente terá menos papel acumulado na carteira e a empresa poupa no gasto de consumíveis. O decreto-lei que regulamenta esta medida terá de cumprir três condições para a dispensa da emissão da fatura em papel: a fatura terá de conter o número de contribuinte do comprador; o comerciante é obrigado a processar a fatura num programa informático certificado e que garanta a sua transmissão eletrónica “em tempo real” para a Autoridade Tributária.

Na atual lei é exigida a colocação do nome, da morada e do NIF do comprador nas faturas de aquisições acima de mil euros. Esta obrigação deixa de se aplicar com a publicação deste decreto-lei. Todas as faturas poderão ser emitidas sem o NIF do cliente e, ainda assim, o comprador não perderá o direito de comunicá-las mais tarde à Autoridade Tributária.

Recomendadas

Vem aí a nova sociedade que vai controlar a “TSF”, o “DN” e o “Jornal de Notícias”

Os credores da Controlinveste, Millennium bcp e Novo Banco, acordaram o lançamento de uma nova sociedade que reúne as participações detidas pelas empresas de Joaquim Oliveira na Global Media, cuja posterior venda permitirá que os bancos presididos por Miguel Maya e António Ramalho possam recuperar parte dos 548 milhões de euros perdidos na Controlinveste

Comércio digital cresce mesmo sem tecnologia futurista

Os empresários contactados pelo Jornal Económico, que desenvolvem plataformas de comércio eletrónico, vendem ‘online’ ou estão ligados à indústria logística, defendem que os novos sistemas de pagamento têm facilitado a evolução deste mercado.

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.
Comentários