Fecho das escolas e universidades. António Costa fala ao país a partir das 13 horas

O primeiro-ministro vai dirigir-se aos portugueses a partir das 13 horas. Fonte do executivo disse à Lusa que o Governo vai encerrar escolas e universidades a partir de sexta-feira.

O primeiro-ministro vai falar ao país a partir das 13 horas, depois da reunião de Conselho de Ministros que arrancou às 9h30 desta quinta-feira, 21 de janeiro.

A reunião vai ter lugar por videoconferência. As declarações serão depois feitas a partir do Palácio de São Bento em Lisboa, a residência oficial do primeiro-ministro.

O Governo prepara-se para fechar escolas e universidades a partir de sexta-feira, avançou fonte do executivo à agência Lusa, com o objetivo de “isolar todo o sistema escolar. Não havendo aulas, evita-se que as pessoas sejam forçadas a sair de casa”, segundo fonte do executivo.

“A informação que o Governo recebeu na quarta-feira, após reunião com epidemiologistas, foi considerada muito relevante e determinante para a decisão, tendo em conta o crescimento da variante britânica do novo coronavírus em Portugal”, disse a mesma fonte à Lusa.

Portugal registou ontem o pior dia da pandemia: recorde de novas infeções (14.467) e de mortes (219). O número de casos totais atinge agora os 581.605 e o de mortes totais atinge 9.465 vítimas.

O Presidente da República concorda com o encerramento das escolas e universidades em Portugal como medida para travar a pandemia que voltou a bater recordes de casos e de mortes na quarta-feira.

“Penso que é uma boa solução. Primeiro, não é fácil distinguir entre ciclos e fechar A ou B ou C ou D. Em segundo, a disseminação social está a entrar nas escolas, o número de turmas que estão em casa aumentou muito substancialmente nos últimos tempos e alguns dos testes que começaram a ser feitos nas escolas apontam para a prudência”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa em entrevista ao Porto Canal.

Depois de chegar de Bruxelas, onde esteve no Parlamento Europeu, António Costa esteve reunido na noite de quarta-feira com os ministros da Presidência, Mariana Vieira da Silva, da Saúde, Marta Temido, da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e do Ensino Superior, Manuel Heitor.

“Fizemos um ponto de situação sobre a alarmante propagação da pandemia em Portugal”, escreveu António Costa nas redes sociais no dia em que Portugal registou o pior dia da pandemia desde o seu início há 10 meses.

“Analisámos a informação que os epidemiologistas partilharam com o Governo, designadamente sobre o crescimento da variante britânica do vírus. Esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, decidiremos em conformidade, com a certeza de que a prioridade é salvar vidas e controlar a pandemia”, segundo o governante.

Ler mais

Relacionadas

Costa diz que Conselho de Ministros prepara-se para tomar medidas hoje perante “alarmante propagação da pandemia”

Depois de Portugal ter atingido o pior dia da pandemia desde o seu início há 10 meses, o Governo reúne-se hoje. Fonte do executivo avançou que o Governo vai encerrar as escolas e universidades do país a partir de sexta-feira, segundo a agência Lusa.

Governo decide hoje encerrar todas as escolas a partir de sexta-feira

O Governo vai decidir hoje, em Conselho de Ministros, o encerramento de todos os estabelecimentos de ensino, do Básico ao Superior, com efeitos a partir de sexta-feira, disse à agência fonte do executivo.

Presidente da República concorda com fecho de escolas e universidades: “É uma boa solução”

O Governo prepara-se para decidir hoje o fecho das escolas e universidades a partir de sexta-feira, segundo fonte do executivo citada pela Lusa. Portugal atingiu ontem o pior dia em mortes e infeções desde o início da pandemia há 10 meses.
Marta Temido em entrevista à RTP

Fecho imediato de todas as escolas vai ser discutido em Conselho de Ministros nesta quinta-feira

Ministra da Saúde admite que é possível chegar a 20 mil mortes causadas pela pandemia até março. Variante britânica do coronavírus SARS-CoV-2 representa 20% dos casos de infeção e poderá chegar aos 60%.
Recomendadas

Nazaré da Costa Cabral: “Crise pode ter apressado a sinalização das chamadas empresas ‘zombie'”

Em entrevista ao JE, a presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, alerta para a necessidade de refletir sobre o impacto que a crise trouxe para o tecido empresarial português e para os padrões de consumo.

Taxa Tobin: “Imposto terá um impacto muito negativo nas empresas”, alerta Rogério Fernandes Ferreira

Presidência portuguesa da UE quer reabrir dossiê da taxa Tobin. Mas imposto tem de reunir consenso alargado. Em entrevista ao Jornal Económico, o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais deixa alertas para os efeitos da medida. Defende que, num contexto de crise pandémica e económica, poderá ter efeito anti cíclico e prejudicar a própria retoma. E considera que “seria preferível adotar outro caminho”, até porque esta taxa só funcionaria se fosse “implementada globalmente, pelo menos no seio da UE”.

Fórum para a Competitividade estima queda de até 8,5% do PIB no primeiro trimestre

“O confinamento mais estrito, somado ao autoconfinamento, terão tido um impacto económico acentuado, visível já nos primeiros indicadores do ano. No turismo, houve deterioração de expectativas, já sem esperança em relação à Páscoa”, argumenta a entidade.
Comentários