Fed “fez asneira” ao manter as taxas de juro inalteradas, acusa Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou a Reserva Federal, esta segunda-feira, por não cortar as taxas de juros, mantendo a pressão sobre o banco central para mudar a sua política monetária.

Jonathan Ernst / Reuters

O presidente dos EUA acusou a Reserva Federal de minar os esforços do governo norte-americano para impulsionar o crescimento económico.

Na rede social Twitter, Donald Trump manifestou o seu desagrado depois da Fed ter anunciado, na quarta-feira passada, que vai manter a taxa de juro de referência (federal funds rate) inalterada, em linha com as expetativas dos analistas.

“Apesar de uma Reserva Federal que não sabe o que está a fazer – subiu as taxas muito rapidamente (…)  fez um aperto em grande escala, em 50 milhões de euros dólares – nós estamos a caminhar para um dos melhores meses de junho da história dos EUA”, começou por afirmar num ‘tweet’.

“Imaginem o que poderia ter acontecido se a Fed tivesse acertado”, especulou. “Milhares de pontos acima no Dow e o crescimento do PIB em 4 ou 5%. Agora eles estão agarrados, como uma criança teimosa, quando precisamos de cortes nas taxas e flexibilização, para compensar o que os outros países estão a fazer contra nós”, continua. “Fizeram asneira!”, rematou.

A taxa de juro diretora continua fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%, anunciou o Federal Open Market Committee (FOMC), após a reunião de dois dias que terminou na passada quarta-feira.

Assim, a Reserva Federal anunciou que vai combater os crescentes riscos económicos globais e domésticos, ao avaliar as crescentes tensões comerciais e a inflação fraca.

A instituição liderada por Jerome Powell sinalizou, no entanto, que poderá em breve decidir um corte na taxa de juro, ao remover do comunicado a palavra “paciente”, substituindo-a por “agir apropriadamente” face a incertezas no outlook económico e às pressões sobre a inflação. A última vez que o FOMC implementou um aumento na federal funds rate foi em dezembro do ano passado.

Ler mais
Relacionadas

‘Replay’ do “Mercados em Ação”: Fed e BCE, Trump e China

O último programa debateu as estratégias dos bancos centrais face à guerra comercial. No ‘Espaço Empresas’ o tema foi os cenários de risco e como as empresas podem desenvolver planeamento estratégico
Recomendadas

Depois das praças europeias, Brexit penaliza Wall Street

O Goldman Sachs aumentou a sua estimativa quanto à probabilidade de o Brexit vir mesmo a acontecer, atribuindo agora 65% de hipóteses para que o divórcio entre a União Europeia e o Reino Unido ocorra no dia 31 de outubro.

Brexit assusta bolsas europeias e PSI 20 perde 0,73%

Voto no Parlamento britânico sobre o acordo do Brexit negociado esta semana com a União Europeia causou algum desconforto para os investidores. No PSI 20, a Mota Engil e o BCP lideraram as perdas numa sessão em que 13 cotadas encerram em queda.

Wall Street abre a negociar flat

A penalizar Wall Street está nomeadamente o anúncio da Johnson & Johnson, após a empresa norte-americana anunciar que terá de retirar do mercado um lote de produto. Por outro lado, resultados da Coca-Cola, Intuitive Surgical e American Express2 animam as praças norte-americanas.
Comentários