Fed mantém taxa inalterada, mas troca “paciente” por “agir de forma apropriada”

A ‘federal funds rate’ continua fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%, anunciou o Federal Open Market Committee (FOMC), após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira.

REUTERS/Kevin Lamarque

A Reserva Federal norte-americana manteve a taxa de juro de referência (federal funds rate) inalterada, em linha com as expetativas dos analistas. A taxa de juro diretora continua fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%, anunciou o Federal Open Market Committee (FOMC), após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira.

A instituição liderada por Jerome Powell sinalizou, no entanto, que poderá em breve decidir um corte na taxa de juro, ao remover do comunicado a palavra “paciente”, substituindo-a por “agir apropriadamente” face a incertezas no outlook económico e às pressões sobre a inflação.

“O Comité continua a ver uma expansão sustentada da atividade económico, condições robustas no mercado de trabalho e a inflação próxima do objetivo de 2% como os resultados mais prováveis”, referiu a Fed, adiantando, no entanto que as incertezas sobre este outlook aumentaram.

“À luz destas incerteza e a ténue pressões inflacionárias, o Comité ira monitorizar de forma próxima as implicações da informação que irá receber sobre o outlook económico e irá agir de forma apropriada para sustentar a expansão”, sublinhou.

A última vez que o FOMC implementou um aumento na federal funds rate foi em dezembro do ano passado. Na reunião de janeiro a instituição liderada por Jerome Powell alterou a posição em relação ao percurso dos aumentos das taxas de juro dizendo que irá ser paciente, tendo em conta os desenvolvimentos económicos e financeiros, quando anteriormente apontava para aumentos graduais.

Essa posição foi mantida na reunião de março e de maio, com as avaliações dos membros do FOMC a apontarem para a manutenção da taxa de juro no nível atual até pelo menos o final do ano.

No entanto, a escalada da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China abalou os mercados nas últimas semanas e levou Powell a reagir. A 4 de junho disse que a Fed está a monitorizar atentamente as implicações destes desenvolvimentos nas perspetivas económicas dos EUA e vai agir de forma apropriada para sustentar a expansão, uma mensagem que os mercados interpretarem como sinal de que um corte na taxa de juro poderá acontecer em breve.

A Fed atualizou as projeções económicas, mantendo em vista uma expansão de 2,1% este ano na maior economia do mundo, mas reviu em ligeira alta a de 2020, de 1,9% para 2%.  Em relação à inflação, o banco central prevê agora que termine o ano em entre, 1,5% e 1,6%, quando em março projetava 1,8% e 1,9%.

[Atualizada às 19h19]

 

Ler mais
Relacionadas

Fumaça ou realidade? Hoje é dia F, de Fed

Para hoje nunca é demais aconselhar cautela com a alavancagem, especialmente perto da hora do anúncio da reserva federal norte-americana.

Paciência esgotada? Fed deverá abrir hoje a porta para corte da taxa de juro

Debaixo de pressão intensa de Trump e da guerra comercial, Jerome Powell deverá manter as taxas inalteradas, mas vai aproveitar a reunião que termina esta quarta-feira para sinalizar um corte na ‘federal funds rates’ em julho ou em setembro, segundo os analistas. A projeção para a inflação deverá ser revista em baixa.

Presidente da Fed garante agir “apropriadamente” para sustentar crescimento económico

Jerome Powell explicava que é preciso estar atento aos desenvolvimentos e implicações das medidas tomadas pelos EUA e pela China no contexto da guerra comercial. “Nós não sabemos quando é que estas questões vão ser resolvidas”, disse.
Recomendadas

Portugal emite 1,5 mil milhões de euros em dívida a curto prazo com taxas mais negativas

Portugal tem renovado mínimos nos custos de financiamento e a tendência voltou a verificar-se no leilão de dívida a seis e 12 meses desta quarta-feira.

PSI 20 acompanha queda das congéneres europeias depois de Trump admitir mais tarifas à China

O principal índice bolsista português perde 0,16%, para 5.255,12 pontos.

“O Conselho de Governadores é um Conselho e não um ‘one-woman show'”, diz economista-chefe da Allianz GI

Stefan Hofrichter diz ao Jornal Económico que o atual rumo da política monetária “limita” as opções em caso de recessão e destaca que as decisão do Banco Central Europeu dependem dos vários membros do Conselho de Governadores e não apenas do seu presidente.
Comentários