Ferrovial ganha as duas empreitadas de expansão do Metro do Porto. Valor ascende a 288 milhões

O valor global destas adjudicações ascende a 288 milhões de euros – 189 milhões relativos ao novo traçado no Porto e 98,9 milhões para a ampliação em Gaia, assinala o comunicado da Metro do Porto.

A Metro do Porto acaba de anunciar, em comunicado oficial, que as duas empreitadas de expansão do Metro do Porto foram adjudicadas ao consórcio Ferrovial/Alberto Couto Alves, reclamando uma poupança de 77 milhões de euros.

“O Conselho de Administração da Metro do Porto recebeu e analisou os relatórios finais dos júris dos concursos públicos para a construção da linha rosa (linha circular) e para o prolongamento da linha amarela, tendo aprovado, como proposta, a adjudicação de ambas as empreitadas ao consórcio luso-espanhol formado pela ACA – Alberto Couto Alves, S.A. e a Ferrovial Agroman, S.A.. O valor global destas adjudicações ascende a 288 milhões de euros – 189 milhões relativos ao novo traçado no Porto e 98,9 milhões para a ampliação em Gaia”, assinala o referido comunicado.

De acordo com essa nota informativa, “a expansão do Metro do Porto é o investimento público de maior dimensão em curso em Portugal”.

“Na totalidade, os novos seis quilómetros e as novas estações da rede apresentavam um valor base de concurso orçamentado em cerca de 365 milhões de euros. Assinale-se, com este resultado, que a Metro do Porto obtém uma significativa poupança, na ordem dos 77 milhões de euros, face aos valores de referência destes dois concursos públicos internacionais, com o mercado e a livre concorrência a responderem muito positivamente e garantirem uma redução de 21%”, salienta a Metro do Porto.

A decisão de classificar em primeiro lugar o consórcio da Ferrovial nestes dois concursos tem gerado bastante controvérsia entre os restantes concorrentes, alegando que a proposta desse consórcio foi a pior classificada na vertente técnica.

A Elevolution, grupo que reúne diversas antigas construtoras nacionais, não foi concorrente, mas solicitou a impugnação do concurso.

No entanto, a Metro do Porto decidiu confirmar esta opção pela Ferrovial.

“Agora, a Metro do Porto e o consórcio vencedor formalizarão os passos legais previstos com vista à assinatura, a curto prazo, dos contratos de adjudicação, sendo que, igualmente a curto prazo, as obras vão arrancar no terreno”, adianta o comunicado em questão.

“A nova linha rosa (circular) do Metro do Porto integrará quatro estações e cerca de três quilómetros de via, ligando S. Bento/Praça da Liberdade à Casa da Música, servindo o Hospital de Santo António, o Pavilhão Rosa Mota, o Centro Materno-Infantil, a Praça de Galiza e as faculdades do polo do Campo Alegre. Já a extensão da linha amarela permitirá construir um troço com três estações e cerca de três quilómetros, que ligará Santo Ovídio a Vila d’Este, passando pelo Centro de Produção da RTP e pelo Hospital Santos Silva. As empreitadas vão decorrer entre 2020 e 2023”, explica a Metro do Porto.

Recomendadas

PremiumNovo CEO da Teixeira Duarte tem rentabilidade e dívida como principais desafios

Manuel Maria Teixeira Duarte será hoje eleito como novo presidenteda Teixeira Duarte. Grupo pressionado pelos maus resultados durante a pandemia. “Foco tem de ser a escolha das obras estratégicas” e “redução da dívida”, diz acionista.

Elevo responsabiliza pandemia e Estado de Moçambique por salários em atraso

O grupo português faz referência a “dificuldades” que incluem “alguns salários em atraso e que são explicadas sobretudo pelo impacto da covid-19 e pelo facto de um dos seus principais clientes, o Estado moçambicano, não estar a honrar os seus compromissos financeiros”.

Manuel Teixeira Duarte sobe à presidência da construtora portuguesa

A nomeação de Manuel Teixeira Duarte acontece no momento em que Pedro Teixeira Duarte renuncia ao cargo de presidência da Teixeira Duarte, que teve efeitos produzidos no passado dia 30 de junho de 2021. 
Comentários