Fidelidade compra mil assinaturas do Jornal Económico

Iniciativa da seguradora contempla vários órgãos de comunicação, num total de oito mil assinaturas. Agência BloomCast oferece 60 assinaturas a clientes.

A seguradora Fidelidade chegou a acordo com vários meios de comunicação social para a compra de vários milhares de assinaturas, no âmbito de uma iniciativa que visa contribuir para o aumento da literacia e para a sustentabilidade da imprensa neste momento difícil que o setor atravessa devido à crise da Covid-19. Um dos meios contemplados neste programa da Fidelidade foi o Jornal Económico, com a compra de mil assinaturas digitais, por parte da seguradora.

“Este acordo insere-se numa iniciativa mais vasta da companhia, que abrangeu mais sete grupos de comunicação social portugueses para a compra de um total de 8 mil assinaturas. O objetivo é ajudar os grupos de comunicação a suportar as dificuldades criadas no contexto da Covid-19, reconhecendo a sua importância decisiva para o desenvolvimento de uma sociedade informada, democrática e plural”, referiu a Fidelidade em comunicado.

Além do JE, foram abrangidos por esta iniciativa os jornais “Observador”, “Diário de Notícias”, “Público”, “i”, “Eco”, “Expresso” e “Jornal de Negócios”.

As assinaturas destes jornais serão distribuídas por colaboradores e parceiros da Fidelidade. Para Jorge Magalhães Correia, presidente da Fidelidade, “apoiar a Comunicação Social nesta fase delicada é uma obrigação que resulta da nossa responsabilidade social promovendo os valores da cidadania e da literacia que consideramos fundamentais”.

BloomCast oferece 60 assinaturas a clientes
Outras empresas de vários setores lançaram iniciativas idênticas, como a agência de comunicação BloomCast Consulting, que no início de abril comprou 60 assinaturas do JE e de outros meios que foram selecionados “em alinhamento com o que os clientes indicam ter como referência de leitura”, disse fonte oficial da agência. “O nosso objetivo foi dar aos clientes um acesso a informação que é extremamente importante numa fase de incerteza como esta”, acrescentou.

Recomendadas

Covid põe cheques e levantamentos em dinheiro em mínimo de 20 anos. Compras com cartões em mínimo de 11 anos

Em abril, a redução do uso de cheques rondou os 45% em número e 48% em montante, face ao período homólogo, e as operações com cartões recuaram  42,9% em número e 28,8% em valor. A pandemia trouxe ainda o aumento dos pagamentos contactless e uma quebra dos levantamentos em dinheiro.

Imparidades do Novo Banco desaceleraram depois da venda à Lone Star

O Novo Banco constituiu menos novas imparidades depois da venda à Lone Star. O ano em que o banco constituiu maior volume de imparidades foi em 2017, ano da venda ao fundo norte-americano.

Marques Mendes diz que os quatro contratos da venda do Novo Banco devem ser tornados públicos

“Há pelo menos quatro contratos, quatro documentos contratuais envolvendo o Estado, a União Europeia, a Lone Star e o Fundo de Resolução, e se fosse possível, devia-se torná-los todos públicos.  [Porque] quando há dinheiros públicos, deve ser tornado público. Há quatro contratos e há pelo menos um que é mais importante que o contrato de compra e venda”, disse o comentador político.
Comentários