Filhos de Mário Soares herdam fortuna de 17 milhões de euros

Mário Soares foi duas vezes primeiro-ministro, duas vezes Presidente da República e um dos fundadores do Partido Socialista. Morreu há dois anos, a 7 de janeiro, sendo que no dia 27 desse mês foi feita a habilitação legal dos herdeiros, que terão de dividir entre si contas bancários e o património imobiliário da família. Colégio Moderno é o maior ativo, avança a revista Sábado.

Mário Soares, falecido há dois anos, deixou uma herança a rondar os 17 milhões de euros, noticia a revista “Sábado” esta quinta-feira. Entre um colégio, casas, terrenos e uma fundação, apenas os filhos João e Isabel Soares são os herdeiros diretos do antigo Presidente da República, cujos ativos financeiros e contas estarão, maioritariamente, em fundos de investimento.

A informação é levantada com base na última declaração de interesses de João Soares entregue no Tribunal Constitucional, por ser deputado à Assembleia da República pelo PS, onde se lê: “Logo que a divisão do património herdado esteja feita se fará a descrição detalhada do que passa a ser meu. Todos os bens estão no país. Não há bens no estrangeiro”, cita a revista da Cofina. Também documentos de registos prediais e documentos da Conservatória do Registo Civil de Lisboa sustentam o valor a herdar.

O processo de divisão de bens ainda estará em curso, tendo começado no final de janeiro de 2017, e, para já, falta dividir apenas o património imobiliário e o Colégio Moderno – que é visto como um ativo indivisível da família. Mário Soares não terá deixado nenhum testamento ou qualquer documento que prove uma última vontade.

De acordo com os cálculos da “Sábado”, é o Colégio Moderno que coloca a herança de Soares nos 17 milhões, sem contar com a Fundação Mário Soares, cujo património e autónomo e, por isso, não reverterá para os herdeiros.

Assim, somando os 12.515.778 euros de capitais próprios do Colégio Moderno com as casas e terrenos da família, juntamente com os depósitos bancários já divididos (totalizaria mais de um milhão de euros), a herança de Mário Soares ascende aos 17 milhões de euros.

Quanto ao património imobiliário, Mário Soares deixou uma casa no Algarve, em Vau, que valerá mais de 760 mil euros; uma casa em Nafarros, Sintra, mais três terrenos agrícolas contíguos, que valerá mais de 190 mil euros; e uma casa em Lisboa, no Campo Grande, composta por dois prédios, que ascenderá a pouco mais de quatro milhões de euros. Existe, ainda, um terreno no Alvor, com uma dependência agrícola e um terreno em Azeitão.

 

Ler mais
Relacionadas

Mário Soares: O “pai da democracia” morreu há dois anos

Mário Soares morreu no dia 7 de janeiro de 2017. O presidente Marcelo Rebelo de Sousa recordou o antigo Presidente da República e recordou a sua luta por um “Portugal mais justo”.

Família rejeita que Mário Soares seja transladado para o Panteão

Os filhos João e Isabel Soares opõem-se à transladação do corpo do pai, alegando que deve estar ao lado do da mãe.
Recomendadas

Marques Mendes garante que Paulo Rangel é o escolhido de Rui Rio para se candidatar às europeias

Para além dessa novidade, Marques Mendes comentou a mediática prisão de Armando Vara dizendo que “é apenas uma ponta do icebergue de uma rede muito poderosa que durante 20 anos, ou mais, existiu em Portugal”. O comentador aponta culpas à sua nomeação para a CGD e BCP, não apenas a Sócrates, mas a Vítor Constâncio, então Governador do Banco de Portugal.

Rui Rio diz que o Governo socialista engana permanentemente os portugueses

“O grande engano é quando nos vendem uma situação económica de quase milagre económico e depois todos descobrimos que não pode fazer isto e aquilo porque não têm meios”, disse Rui Rio, no encerramento do XVII Congresso do PSD/Madeira, no Funchal, em que Miguel Albuquerque foi reeleito presidente.

Santana Lopes quer mais do que seis ou sete deputados do Aliança e “coligação à direita” pós-eleitoral

Em entrevista ao “Diário de Notícias” e TSF, o líder do Aliança defende que “uma coligação à direita é a única forma de retirar a esquerda do poder”. Questionado sobre se eleger seis ou setes deputados seria um bom resultado para o novo partido, Santana Lopes assume que é “ambicioso” e quer “mais”. Objetivo essencial é garantir que “o centro-direita consiga ter os tais 115 + 1 deputados”.
Comentários