Filial cabo-verdiana do Ecobank com melhor resultado de sempre em 2019

Os lucros da filial de Cabo Verde do banco pan-africano aumentaram 120% em 2019, para quase 1,6 milhões de euros, no ano passado.

Os lucros da filial de Cabo Verde do banco pan-africano Ecobank aumentaram 120% em 2019, para quase 1,6 milhões de euros, resultado que a administração afirma ser o “melhor de sempre”. De acordo com o mais recente relatório e contas do Ecobank Cabo Verde, os resultados de 2019 permitiram recuperar “todo o capital perdido desde o lançamento” do banco.

Fundado em 1985, no Togo, o Ecobank Transnational Incorporated é um grupo bancário pan-africano presente em 36 países daquele continente e o segundo maior banco em África, tendo a filial em Cabo Verde iniciado atividade em julho de 2009.

Apesar do histórico resultado líquido de 173.841.542 escudos (1,56 milhões de euros) em 2019, seguindo a orientação do banco central cabo-verdiano face aos impactos da covid-19 no setor bancário, a administração do Ecobank Cabo Verde decidiu não distribuir dividendos pelos acionistas.

O lucro de 2019 será assim aplicado em reservas legais e resultados transitados para 2020, esclarece a administração.

“A filial conseguiu cumprir com todos os rácios críticos do grupo, reforçar a sua presença no mercado nacional, em alinhamento com a visão estratégica da Ecobank Transnational Incorporated, podendo assim contribuir para o suporte efetivo do desenvolvimento do tecido empresarial, a inclusão financeira e a digitalização do país”, lê-se na mensagem do presidente do conselho de administração do Ecobank Cabo Verde, José Carvalho Veiga.

À semelhança dos anos anteriores, “a maior parte” das receitas do banco “foi realizada através do financiamento das grandes empresas, nomeadamente os principais atores do turismo e da cadeia de valor, bem como o Estado de Cabo Verde”.

Entre estes, a administração destaca as operações de financiamento às empresas estatais cabo-verdianas do setor da aviação, “que explicam em grande parte o nível de resultado líquido positivo” de 2019, o qual contrasta com os 79,3 milhões de escudos (716 mil euros) em 2018.

A administração destaca que em 2019 foram concluídas “algumas transações importantes que tiveram um forte impacto” no portfólio do banco, nomeadamente os financiamentos às estatais Aeroportos e Segurança Aérea (ASA), no valor de 330 milhões de escudos (três milhões de euros), e Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV), de 594 milhões de escudos (5,3 milhões de euros).

Segundo o relatório e contas, o crédito concedido pelo Ecobank Cabo Verde cresceu 44% em 2019, depois do aumento de 4% entre 2017 e 2018.

No encerramento do exercício de 2019, o crédito do banco em Cabo Verde atingia quase 2.910 milhões de escudos (26,2 milhões de euros), enquanto o número de clientes aumentou 16%, para 4.707, sobretudo na área empresarial.

Contudo, o banco viu o volume de crédito e juros vencidos quase duplicar em 2019, chegando a quase 17,5 milhões de escudos (160 mil euros).

Com o resultado a “manter-se positivo em 2019”, a rentabilidade do banco continuou igualmente positiva, permitindo à filial cabo-verdiana “apresentar um retorno sobre os capitais próprios de 19,18% contra 10,78% em finais de dezembro de 2018”, enquanto o custo de capital se fixou em 18,4%.

Por este motivo, explica a administração, o Ecobank Cabo Verde “apresenta em 2019 um retorno sobre capital superior aos custos de capital, respeitando uma das exigências maiores da casa mãe. Para além disso, o Ecobank recuperou o capital perdido pela filial durante os primeiros anos de sucessivos resultados negativos”.

O banco, com 54 trabalhadores, fechou 2019 com um ativo total de 13.277 milhões de escudos (120 milhões de euros), um aumento de 21,5% face a 2018, enquanto o passivo subiu 21,4%, para 12.190 milhões de escudos (110 milhões de euros) e o produto bancário cresceu para mais de 486,7 milhões de escudos (4,4 milhões de euros).

O Ecobank Cabo Verde tem um capital social de 829.858.400 escudos (7,5 milhões de euros), contando, como acionistas, com o Ecobank Transnational Incorporated e o Ecobank Senegal, que detêm quotas de 95,39% e 4,61%, respetivamente.

Ler mais
Recomendadas

Portugal tratou 8.344 doentes dos PALOP em quatro anos. Cabo Verde é o segundo com mais transferências médicas

As especialidades mais procuradas são a cardiologia, a oncologia, a oftalmologia, a pediatria, a urologia, a otorrinolaringologia, a cirurgia geral e cirurgia pediátrica, a ortopedia e a neurocirurgia. Em 2019, Angola enviou 46 doentes, Cabo Verde 619, a Guiné-Bissau 681, Moçambique 35 e São Tomé e Príncipe 234.

G20 diz que mais de metade dos países africanos pediram alívio da dívida

Entre os 30 países africanos que pediram um alívio da dívida estão os lusófonos Angola, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, que assinaram já um memorando de entendimento com o Clube de Paris, que operacionaliza a DSSI.

Mais de 300 trabalhadores pediram subsídio para quarentena em Cabo Verde

Nos meses de abril, maio e junho, o instituto público que gere as pensões cabo-verdianas recebeu 335 pedidos para atribuição do subsídio por isolamento profilático, uma quarentena estipulada em 14 dias, no valor equivalente a 70% do salário mensal auferido pelo trabalhador.
Comentários