Fim de beatas na rua debatidas a 12 de junho no Parlamento

Proposta do PAN prevê ações de fiscalização da Agência Portuguesa para o Ambiente, ASAE, câmaras municipais, GNR e da PSP, incluindo a aplicação de multas e a criação de uma “ecotaxa”.

Cristina Bernardo

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) quer proibir o descarte de beatas de cigarro para a via pública, defendendo que todos os anos as beatas são responsáveis por 30% dos incêndios e que um filtro de cigarro leva dez anos a degradar-se. A proposta do PAN será debatida no Parlamento a 12 de junho, noticia o “Público” esta segunda-feira, 3 de junho.

“Segundo as organizações Beata no Chão Gera Poluição e Portugal sem Beatas, no nosso país são atiradas estimadamente para o chão sete mil beatas de cigarro a cada minuto, uma quantidade elevadíssima que nos deve mobilizar a encontrar soluções”, lê-se na introdução do projecto-lei n.º 1214/XIII, diploma que está no Parlamento desde meados de maio.

O PAN argumenta também que as beatas são o resíduo mais encontrado nas zonas costeiras e que a percentagem de portugueses que considera normal atirar beatas para o chão chega aos 20.

São estes número que levaram André Silva, deputado do PAN na Assembleia da República, a propor a proibição de descartar beatas para a via pública em todo o país. Para maior eficácia da medida, o diploma do PAN propõe também ações de fiscalização por parte da Agência Portuguesa para o Ambiente, da ASAE, das câmaras municipais, da GNR e da PSP, incluindo a aplicação de multas e a criação de uma “ecotaxa”.

Recomendadas

“Regozijo” do Chega com queda de Conte e “apoio incondicional” a Salvini

Partido liderado por André Ventura acredita que vitória da Liga em eventuais eleições antecipadas é “uma nova esperança para a Itália e para os italianos, e um novo e melhor ciclo para a União Europeia”.

Trump cancela viagem à Dinamarca porque a Gronelândia não está à venda

Donald Trump ficou chateado por a primeira-ministra da Dinamarca anunciar que a ideia da compra da Gronelândia era “absurda” e que a maior ilha do mundo “não está à venda”.

Aulas vão arrancar sem o reforço prometido de mais mil funcionários

O início das aulas está marcado para entre 10 e 13 de setembro mas o reforço prometido pelo Ministério da Educação em fevereiro pode só chegar em outubro.
Comentários