Finanças “lamentam” que Deloitte vai amanhã enviar apenas a versão preliminar da auditoria ao Novo Banco

“No contexto deste atraso, o Governo considera que, até à conclusão da referida auditoria, não deverão ser realizadas outras operações de venda de carteiras de ativos improdutivos por parte do Novo Banco”, sublinhou o ministério liderado por João Leão.

O ministério das Finanças comunicou esta quinta-feira que foi informado que a Deloitte irá na sexta-feira apresentar apenas uma versão preliminar do relatório da auditoria ao Novo Banco, apesar da insistência do Governo para ter a versão completa até 31 de julho, um atraso de que o ministério liderado por João Leão diz lamentar. Como consequência, o Governo e o Fundo de Resolução pediram ao Novo Banco para não vender mais carteiras de crédito até à entrega do relatório final.

Em comunicado, o ministério informou que irá realizar-se a 31 de julho uma reunião do Comité de Acompanhamento Operacional da auditoria ao Novo Banco, órgão que é composto pelo Fundo de Resolução, pelo Novo Banco, enquanto entidade auditada, e pela Deloitte, enquanto auditor independente selecionado para a realização da referida auditoria.

“Na sequência da insistência do Governo para se concluir a auditoria, o Ministério das Finanças, que não integra o mencionado Comité de Acompanhamento Operacional, foi informado de que, nessa reunião, o auditor independente apresentará as conclusões preliminares de um conjunto de secções integrantes do relatório de auditoria, para efeitos do exercício de contraditório pela entidade auditada e solicitação de eventuais esclarecimentos adicionais por parte do Fundo de Resolução”, adiantou.

“O Ministério das Finanças lamenta que, nessa data, o auditor independente não apresente ainda a versão final e definitiva do relatório de auditoria e aguarda que esse relatório seja concluído e dado a conhecer ao Governo e aos partidos representados na Assembleia da República no mais curto prazo possível”, sublinhou.

No contexto deste atraso, o Governo considera que, até à conclusão da referida auditoria, não deverão ser realizadas outras operações de venda de carteiras de ativos improdutivos por parte do Novo Banco.

“Na sequência das preocupações expressas pelo Governo, o Fundo de Resolução informou hoje o Ministério das Finanças que partilha do mesmo entendimento, tendo já comunicado ao Novo Banco que este não deve realizar tais operações até à conclusão do processo de auditoria”, adiantou.

[Atualizada às 23h08]

Ler mais
Relacionadas

Governo diz à Deloitte para entregar auditoria do Novo Banco até 31 de julho

Sobre o Novo Banco e os negócio de venda de ativos imobiliários, a coordenadora do BE diz que “são negócios duvidosos e por isso é urgente conhecer a auditoria. Onde está a auditoria ao Novo Banco?”, questionou Catarina Martins. O primeiro-ministro respondeu que o auditor quis adiar a entrega, mas o Governo rejeitou.

António Ramalho disponibiliza-se para ir ao Parlamento esclarecer venda de imóveis “até em agosto”

O Novo Banco voltou a reagir às notícias publicadas sobre a venda da carteira de ativos imobiliária, realizada em 2018, sob o nome projeto “Viriato”. O CEO da instituição financeira, António Ramalho, disponibiliza-se para ir ao Parlamento prestar informações “em agosto”.

Rui Rio sobre Novo Banco: “Parece que isto pode ser ainda pior do que se imagina”

Líder do PSD sublinha que tem questionado “insistentemente” os negócios do Novo Banco e que “sempre disse que o Governo nunca devia ter pago sem aferir a seriedade das faturas”.
Recomendadas

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Crédit Agricole convidado para colocar as mais recentes emissões sindicadas de obrigações do tesouro

O Crédit Agrícole emitiu um comunicado onde faz o balanço do seu papel na economia portuguesa, onde está presente através da GNB Seguros com 75%; da Eurofactor e do Banco Credibom. Para além de ter ajudado a colocar dívida do Estado português.

Aumento da margem financeira, dos depósitos e número de contas impulsiona rendimentos do Banco CTT

Apesar do atual estado da economia e dos efeitos da pandemia, o Banco CTT registou um crescimento de 63%, para 38,4 milhões de euros, nos rendimentos do primeiro semestre de 2020. O banco registou 2,9 mil pedidos de moratórias, expondo um total de 66,6 milhões de euros, o que representa “cerca de 7% do total da carteira bruta de crédito” da instituição bancária.
Comentários