Financiamento para casos de HIV cai em mil milhões de dólares em 2018, indica ONU

O financiamento para os tratamentos do vírus caiu perto de mil milhões de dólares, atingindo 19 mil milhões de dólares. O valor previsto para 2020 é de 26,2 mil milhões de dólares.

A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou os números da luta contra a epidemia da Sida, ou HIV. Em 2018, o número registado encontrava-se perto de 38 milhões indivíduos a nível mundial, revelou o relatório da ONU esta terça-feira, 16 de julho.

Mais de metade das pessoas seropositivas (23,3 milhões em 38 milhões) já se encontram sob terapia antirretroviral, significando que já não podem transmitir o vírus da sida, caso as terapias sejam acompanhadas corretamente. O número de novas infeções estabilizou relativamente aos anos anteriores, existindo mais 1,7 milhões novos casos de infeções.

O documento divulgado pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o VIH/Sida assume que os valores globais escondem as disparidades que se encontram nas diferentes regiões mundiais.

Assim, em comparação com 2017, o número de mortes relacionadas com esta doença diminuiu, sendo explicado pelo melhor acesso a tratamentos na África do Sul e Oriental, que são bastante afetadas pelo vírus, sendo que mais de metade da população mundial afetada vive nestas regiões.

No entanto, o número de novas infeções aumentou 29% na Europa de Leste e na Ásia Central, desde 2010, e o número de mortes aumentou em 5%. Já no Médio Oriente e no Norte de África, o número de mortes por causa da sida aumentou em 9%.

Este relatório indica que, no ano passado, 770 mil indivíduos morreram infetados com o vírus da sida.

Os responsáveis por este relatório mostraram-se preocupados com a quebra de financiamento. O financiamento para os tratamentos da sida caíram perto de mil milhões de dólares, atingindo 19 mil milhões de dólares. O valor previsto para 2020 é de 26,2 mil milhões de dólares, sendo que num ano, o financiamento precisa de subir 7,2 mil milhões de dólares.

A ONU para o VIH/Sida estabeleceu a meta 90-90-90 para todos os países e Portugal conseguiu alcançar a mesma, no ano passado, revelou a Direção-Geral da Saúde. O objetivo desta meta, que pode ser separada em três, indica que 90% dos infetados precisam de ser diagnosticados, 90% precisa de estar a realizar tratamentos e outros 90% têm de apresentar uma carga viral indetetável.

O ano passado, o Ministério da Saúde revelou dados referentes a 2016 onde indicava que Portugal tinha atingido as duas primeiras metas. Agora, em 2017, conseguiu agrupar o último 90, em que os 90% dos infetados apresentam uma carga viral indetetável nas análises.

Ler mais
Recomendadas

Dispensa de medicamentos em farmácia hospitalar representa custo anual de 199 milhões de euros

Em média, cada doente desloca-se 7,6 vezes ao hospital por ano, para levantar medicamentos, sendo que cada ida ao hospital tem um custo de 14,30 euros para o utente, bem como a dispensa de 5 horas e 27 minutos.

Londres vai testar vacinas em voluntários infetados deliberadamente com Covid-19

Os participantes do estudo, que aguarda aprovação da entidade reguladora do medicamento do Reino Unido, ficarão sob supervisão médica rigorosa. Até ao momento, 2.000 pessoas já se inscreveram.

Portugal regista mais 691 casos e três mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 386 altas nas últimas 24 horas, elevando para 46.676 o número total de pessoas livres do vírus.
Comentários