Finerge garante 700 milhões de financiamento para acelerar crescimento

Com este acordo, a Finerge assegurou um financiamento de 706 milhões de euros e mais 92 milhões de euros em linhas de crédito.

A Finerge reclama ter montado a maior operação alguma vez conseguida na Europa para financiamento de uma plataforma eólica ‘onshore’.

“A Finerge, segundo maior produtor de energia eólica, assinou um acordo com 12 instituições de dimensão mundial, com vista ao financiamento do grupo. Os mais de 700 milhões de euros assegurados nesta operação, irão permitir acelerar o crescimento da Finerge, em Portugal e no estrangeiro”, destaca um comunicado da empresa.

De acordo com esse documento, “esta plataforma financeira, agora constituída, agrega sob um único acordo, as vantagens e a flexibilidade de diferentes modalidades financeiras como: empréstimos de longo prazo, emissão de títulos e ‘project finance’ estruturado.

As instituições financeiras que estão a apoiar esta operação são: ING, Santander, DWS, BNP Paribas, IFM Investors Pty, BBVA, Novo Banco, KommunalKredit, Generali, Schroders, SMBC e Bankinter.

“Com este acordo, a Finerge assegurou um financiamento de 706 milhões de euros e mais 92 milhões de euros em linhas de crédito. Esta operação de financiamento, com uma estrutura inovadora, é a maior alguma vez montada na Europa destinada a uma plataforma eólica ‘onshore'”.

Pedro Norton, CEO da Finerge, explica que “o acordo responde aos objetivos ambiciosos de crescimento da Finerge e demonstra a confiança que as instituições financeiras têm no ‘business plan’ da empresa. O perfil de risco do grupo, a qualidade da equipa e dos ativos existentes, a capacidade demonstrada na seleção e a gestão de novas oportunidades, mereceu uma consideração positiva do mercado e conseguimos que financiadores com perfis muito diferentes e provenientes de diversos países, se juntassem ao projeto”.

No entender dos responsáveis da Finerge, “a plataforma não só aumenta a maturidade da dívida em condições mais favoráveis, como foi desenhada para providenciar a flexibilidade necessária para suportar os investimentos do grupo em aquisições e no desenvolvimento de novos projetos em Portugal e por toda a União Europeia”.

Ainda segundo a Finerge, este empréstimo cumpre os critérios inscritos nos ‘Green Loan Principles 2018’ e foi certificado como ‘Empréstimo Verde’, em conformidade com a política de sustentabilidade do grupo.

Fundada em 1996, a Finerge afirma-se como o segundo maior produtor de energia renovável em Portugal, através dos seus 508 aerogeradores instalados nas 43 centrais eólicas que explora.

A empresa diz ter neste momento uma capacidade instalada de 908,1 MW, produzindo cerca de 2,12 TW/h por ano, evitando a emissão de 844 toneladas de CO2.

A Finerge fatura anualmente mais de 170 milhões de euros, com um investimento de mais de 1,2 mil milhões de euros, em Portugal, além de empregar, direta e indiretamente, cerca de 200 colaboradores.

Ler mais
Relacionadas

Como aumentar a eficiência energética em Portugal?

O proteção do meio ambiente e os interesses económicos cruzam-se no caminho para a eficiência energética. De acordo com o Plano Nacional Energia e Clima 2021-2030, Portugal compromete-se a reduzir o consumo de energia primária em 35% em 2030 face ao consumo de 2007. Para cumprir estas metas, os especialistas enumeraram os próximos passos que passam pela eletrificação dos transportes ou a reconversão dos edifícios já construídos. A sustentabilidade e, dentro dela, a eficiência energética, depende de uma ação conjunta de todos os atores da sociedade.

Finerge compra duas centrais eólicas à Martifer e SPEE por 23 milhões

Empresa detida pelo fundo australiano First State reforçou a sua posição como segunda maior produtora eólica em Portugal.
Recomendadas

Autoridade da Concorrência defende que Banco de Portugal venha a ser uma entidade financiadora

Há um aspeto positivo, diz, que é o do “o BdP vir a ser incluído nas entidades que financiam a AdC” e, defende, “outras entidades poderiam ser consideradas”. O administrador da Autoridade da Concorrência (AdC) Nuno Rocha de Carvalho, disse esta quinta-feira na COFMA que a “breve trecho podemos vir a ter uma decisão no  processo de cartel na banca”.

Antonoaldo Neves: “Não é a primeira vez que a TAP paga prémios em anos de prejuízo”

A comissão executiva da TAP esta quinta-feira ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos.

Prémios polémicos levam Comissão Executiva da TAP ao Parlamento. Assista ao debate

A comissão executiva da TAP está a ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos. O requerimento para ouvir a comissão executiva da transportadora aérea foi apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE), que classificou como “inaceitável” a decisão.
Comentários