Fintech estrangeira acusa SIBS de monopólio com queixa no Banco de Portugal

A presidente da Autoridade da Concorrência já tinha criticado o papel da SIBS no mercado, uma vez que os cinco principais bancos são acionistas da dona do Multibanco.

Uma fintech estrangeira procedeu a uma queixa formal no Banco de Portugal, onde acusa a dona do Multibanco (SIBS) de ter uma “posição dominante” no sector dos pagamentos em Portugal, avança o “Observador”.

De acordo com a queixa da fintech, a que a publicação teve acesso, a SIBS é ainda acusada de “abusar dessa posição” e de “criar barreiras” à entrada de concorrentes no mercado dos pagamentos português, assumindo que tal ação “prejudica os consumidores”.

A empresa pediu ao Banco de Portugal que tomasse decisões relativamente ao tema, e foi por essa mesma queixa que a Autoridade da Concorrência realizou buscas da SIBS no passado mês de janeiro. A presidente da Autoridade da Concorrência já tinha criticado o papel da SIBS no mercado, uma vez que os cinco principais bancos são acionistas da dona do Multibanco.

Segundo o “Observador”, a tecnológica financeira que apresentou a queixa tentou entrar no mercado português mas encontrou entraves por a SIBS deter o controlo do mercado. A fintech – cuja nacionalidade não é revelada – opera em vários países europeus e assumiu que a situação verificada em Portugal é inédita na Europa.

Recomendadas

Balsemão: “Este livro não é, nem pretende ser, um ajuste de contas”

A apresentação do livro de 962 páginas, onde o patrão do Expresso e da SIC, conhecido jornalista, empresário e político relata as suas Memórias, coube a Luís Marques Mendes e Clara Ferreira Alves. “Devemos agradecer às pessoas que nos fazem felizes”, disse Balsemão, citando Proust.

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Moody’s sobe rating da CP

“A subida tem em conta as fortes ligações entre a Comboios de Portugal e o soberano, do qual recebe um apoio financeiro considerável”, considerou Francesco Bozzano, o analista da empresa na agência norte-americana, onde tem o cargo de analista vice-presidente-sénior.
Comentários