Fintech Loyaltek chega a Portugal com cartões pré-pagos para usar no comércio que agora reabre

A empresa belga está à procura de um ‘country manager’. “Já tínhamos alguns negócios em Portugal. No entanto, pretendemos aumentar a nossa atividade”, disse ao Jornal Económico o fundador e diretor-geral, Robert Masse.

A fintech belga Loyaltek chegou este mês a Portugal com uma oferta destinada a relançar os negócios e as comunidades locais: um cartão pré-pago que pode ser carregado quer por particulares, empresas, entidades públicas ou mesmo organizações não-governamentais (ONG). O objetivo é relançar a economia, procurando direcionar o dinheiro para segmentos específicos, à semelhança daquilo que acontece com os tradicionais cartões de refeição, que só podem ser utilizados nalguns terminais.

No “Unity Card” – que foi desenvolvido em parceria com a fintech Paynovate (membro da rede Visa) – também são os parceiros da empresa que definem o montante. Neste caso, há cartões de emergência alimentar e de recuperação económica, cujos públicos-alvo e redes de aceitação diferem. “O cartão de emergency food é aceite por comerciantes que vendam alimentos, tais como os supermercados, e geralmente permite o acesso total ou limitado às caixas multibanco. O cartão destinado à recuperação económica normalmente não permite o acesso ao multibanco e está limitado aos comerciantes locais que tenham sofrido com esta crise”, explica o fundador e CEO ao Jornal Económico (JE).

Questionado sobre os critérios para definir quais os comerciantes impactados, Robert Masse refere que cabe à entidade financiadora promover o cartão e decidir a sua personalização consoante a região, país, entidade. “Normalmente, as lojas não impactadas pela crise (ou menos impactadas) como os supermercados não são abrangidas”, clarifica.

O cartão que a Loyaltek está a apresentar em Portugal funciona exatamente como aquele que a fintech desenvolveu na Alemanha durante a crise migratória, para que o poder local pudesse gerir os subsídios atribuídos aos refugiados. “Distribuímos dezenas de milhares de cartões às autoridades locais para estas poderem gerir os subsídios dos refugiados sírios, permitindo-lhes responder às suas necessidades mais básicas através de compras junto dos comerciantes locais”, lembra Robert Masse ao JE.

A emissora e gestora de cartões e terminais de pagamento está ainda a recrutar um diretor geral para o mercado português para aumentar a sua presença a nível nacional. “Já estamos presentes em 14 países da Europa, incluindo Portugal, onde já tínhamos alguns negócios. No entanto, pretendemos aumentar a nossa atividade e nesse sentido justifica-se uma presença mais abrangente e direta. Pensamos que esta solução pode ajudar as regiões, as cidades e os municípios a enfrentarem e recuperarem desta crise”, afirma.

As autarquias são o foco da empresa no curto e longo prazo, pelo que promover os cartões junto dos municípios a Loyaltek optou por disponibilizar gratuitamente até 5 mil cartões por cada um para que se crie uma rede à qual todos, independentemente da dimensão, se possam juntar. “O nosso objetivo é continuar a trabalhar com essas entidades depois disto e com outros produtos nossos, como por exemplo, o Cartão Presente da Cidade”, diz ainda o gestor.

 

Quais os cartões Unity Card?

  • O Unity Card Food – É carregado pelas ONG ou entidades públicas para ajuda alimentar de emergência às pessoas que dela necessitem. É dirigido principalmente a pessoas carenciadas.
  • O Unity Card Standard – Destina-se a ajudar na recuperação económica. O dinheiro é carregado por entidades públicas como “helicopter money”. É dirigido a todos os cidadãos (pequenas quantias) ou aos segmentos específicos mais impactados pela crise como os pequenos lojistas, os restaurantes, entre outros.
  • O Unity Card Boost – Tem o mesmo propósito mas, neste caso, centra-se mais nos cidadãos. O dinheiro é primeiro carregado pelo titular, que recebe um bónus adicional proveniente de fundos públicos. É direcionado a quem dinheiro disponível e visa encorajar a utilizá-lo agora nos negócios locais.
Recomendadas

“Capacidade de tomar decisões rapidamente” é fundamental para o futuro das empresas, afirma CEO da Outsystems

“Quando olhamos para a Europa vemos que é muito difícil para startups devido aos diferentes mercados. As referências na Europa não são transferidas entre países. Depois temos de lutar contra os Estados Unidos que é um mercado mais homogéneo e, portanto, estamos numa grande desvantagem”, afirma Paulo Rosado.

AdC quer fim de “barreiras desnecessárias” à entrada e expansão de empresas em sectores como energia e telecomunicações

O posicionamento da AdC foi revelado à margem da conferência sobre o Dia Europeu da Concorrência, que este ano foi organizada pelo organismo liderado por Margarida Matos Rosa.

Paragem não pode condicionar negociações salariais na VW Autoeuropa, diz sindicato

“Os trabalhadores, como afirmaram nos últimos plenários e através do resultado expressivo da votação do pré-acordo (20 e 21 de maio), exigem aumento real do salário em 2021, com retroativos a Janeiro, como uma das respostas sérias às suas justas reivindicações”, avança o SITE Sul.
Comentários