Fisioterapeutas temem nova quebra de atividade devido ao estado de emergência

Em março, cerca de 73% dos fisioterapeutas interromperam a sua atividade presencial e destes, apenas cerca de 60% recorreu a estratégias de telefisioterapia para continuar a acompanhar os seus utentes. APFisio teme que atividade volte a ficar suspensa, comprometendo, assim, a saúde física dos utentes.

Depois de em março, altura em que foi decretado o primeiro estado de emergência, ter-se assistido a uma quebra de atividade entre os profissionais da fisioterapia, Associação Portuguesa de Fisioterapeutas (APFisio) alertou, esta quinta-feira, para o risco de, por força da nova ordem de estado de emergência, muitos tratamentos de fisioterapia poderem ser dificultados ou interrompidos durante o presente mês.

Segundo a associação, na primeira fase da pandemia cerca de 73% dos fisioterapeutas interromperam a sua atividade presencial e destes, apenas cerca de 60% recorreu a estratégias de telefisioterapia para continuar a acompanhar os seus utentes. E em 20% das instituições onde eram prestados serviços de fisioterapia antes da pandemia não permitiram ainda o regresso dos fisioterapeutas, o que, segundo a APFisio, contribui para uma deterioração do estado funcional dos idosos ao seu cuidado

Em comunicado, a APFisio considera que a suspensão da atividade não-essencial durante o mês de novembro, que inclui os tratamentos de fisioterapia, pode resultar em muitas pessoas a verem “os seus cuidados nesta área bastante comprometidos durante o confinamento, com todas as consequências conhecidas para a sua funcionalidade e prognóstico de recuperação”.

Para o responsável do órgão, Adérito Seixas “os fisioterapeutas atuam não apenas em condições de saúde agudas, mas também crónicas e, muitas vezes, com pessoas com várias comorbilidades e que apresentam inúmeras limitações à sua autonomia e desempenho nas atividades da vida diária”.

O presidente da APFisio reforça que é essencial olhar para o que se passou com os cuidados de reabilitação, que na sua larga maioria são prestados por fisioterapeutas, desde o início da pandemia e tirar as necessárias ilações.

“Neste momento, é seguro afirmar que a maioria dos serviços de fisioterapia ainda não voltou à atividade normal e as consequências negativas desta limitação no acesso aos cuidados de fisioterapia, quer em termos físicos, mas também ao nível da saúde mental, estão bem visíveis”, revela.

Recomendadas

Governo prepara aprovação do “trabalho digno” e novo estatuto do SNS em Conselho de Ministros

Os bloquistas fizeram saber ao Governo que colocaram em cima da mesa nove propostas para viabilizar o próximo Orçamento. António Costa garante “total abertura” para negociar e garante que propostas serão aprovadas em Conselho de Ministros, esta quinta-feira.

Pfizer e Moderna vão continuar a dominar mercado das vacinas anti-Covid em 2022

Segundo os cálculos da Airfinity, as duas fabricantes de vacinas mRNA irão dominar três quartos do mercado vacinal em 2022, alargando a margem entre as rivais AstraZeneca, Johnson & Johnson, a vacina russa Sputnik V.

OMS cria programa para distribuir medicamentos contra a Covid por menos de 10 euros

Para arrancar com a iniciativa intitulada de ACT-A, a OMS pede um financiamento adicional de 22,8 mil milhões aos líderes mundiais do G20.
Comentários