Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

Reinhard Krause/Reuters

A Fitch manteve esta sexta-feira a notação da dívida soberana portuguesa em ‘BBB’, mas subiu a perspetiva de ‘estável’ para ‘positiva’, conforme antecipado pelos analistas consultados pelo Jornal Económico. A agência norte-americana destaca a trajetória de redução da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice.

“A Fitch espera que a recente trajetória de queda de dívida pública/PIB seja mantida”, refere o relatório. “Os excedentes primários persistentes, que refletem a consolidação orçamental, sustentaram uma queda na dívida pública/PIB para 121,5% no final de 2018, de um pico de 130,6% em 2014”, acrescenta, assinalando que deverá cair para 118% em 2019, 115% em 2020 e 104% em 2023.

Realça ainda a diminuição do défice em 2018 para 0,5% face aos 3% de 2017, que atribui a um “forte crescimento das receitas, menor despesa com juros, subexecução das despesas de capital e a ausência de custos one-off derivados da recapitalização (2% do PIB) da Caixa Geral de Depósitos em 2017″.

“O resultado de 2018 inclui uma injeção de capital de 0,4% do PIB no Novo Banco e outras medidas pontuais de cerca de 0,3% do PIB”, acrescenta.

Défice deverá ficar acima da meta do Governo

A Fitch está, no entanto, mais pessimista do que o Governo sobre a meta de 0,2% de défice para este ano e prevê que este se fixe em 0,5% do PIB.

“A nossa estimativa contrasta com a meta do Programa de Estabilidade do Governo (2019-2023) de um défice de 0,2% do PIB em 2019, com a Fitch a assumir uma postura mais conservadora sobre o crescimento do PIB e a despesa pública (particularmente para salários e subsídios do setor público)”, justifica.

No entanto, está confiante que as eleições legislativas, marcadas para outubro, não se traduzam num “acentuado desvio das atuais políticas orçamentais”.

“Consideramos que o recente debate sobre o descongelamento dos salários do setor público indica que há um amplo apoio público para manter a disciplina orçamental”, acrescenta.

A agência de notação financeira norte-americana tinha mantido a avaliação da dívida soberana portuguesa inalterada na última avaliação, em dezembro do ano passado, em ‘BBB’ com tendência estável. Na altura a Fitch realçou que os desenvolvimentos económicos e orçamentais desde a última avaliação, em maio, sustentavam a visão que a dívida pública está numa tendência descendente “firme”.

A avaliação da Fitch alinha assim com a da DBRS, a última agência a pronunciar-se sobre Portugal, que em abril manteve o rating em ‘BBB’, mas subiu a perspetiva de ‘estável’ para ‘positiva’. Já a S&P coloca a dívida soberana portuguesa no segundo grau de investimento, mas com perspetiva estável. Apenas a Moody’s coloca Portugal no patamar de Baa3, com perspetiva estável, ou seja, o primeiro grau de investimento.

A próxima avaliação da Fitch tem lugar a 23 de novembro, já depois das eleições legislativas marcadas para outubro. Antes disso, a Moody’s deverá pronunciar-se sobre Portugal a 9 de agosto, sendo a vez da S&P a 13 de setembro e da DBRS a 4 de outubro.

(Atualizado às 21h48)

Ler mais
Relacionadas

Governo reage a subida de ‘outlook’ pela Fitch: Progressos “resultam da estratégia seguida” na atual legislatura

Ministério das Finanças defende que “crescimento expressivo do investimento, a estabilização do setor financeiro, o reequilíbrio das contas externas e os progressos alcançados na consolidação estrutural das contas públicas” resulta das políticas seguidas pelo Governo.

Fitch deverá manter ‘rating’ de Portugal mas pode subir perspetiva para positiva

Agência de notação financeira pronuncia-se esta sexta-feira sobre a dívida soberana portuguesa. A Fitch deverá manter o ‘rating’ de Portugal em ‘BBB’, mas poderá subir a perspetiva de estável para positiva, segundo os analistas consultados pelo Jornal Económico.

DBRS mantém ‘rating’ de Portugal, mas sobe ‘outlook’ para positivo

Agência canadiana deixou a notação da dívida soberana portuguesa no segundo grau de investimento, mas fez um ‘upgrade’ na perspetiva, que passou para ‘positiva’.
Recomendadas

Confiança dos consumidores volta a aumentar em junho

O saldo das expectativas relativas à evolução da situação económica do país aumentou em junho, após ter diminuído ligeiramente no mês precedente, revela esta quinta-feira o INE.

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.

Joana Marques Vidal fala segunda-feira na SEDES sobre “a corrupção e autonomia do Ministério Público”

O evento enquadra-se no Ciclo de Debates “Ao fim de tarde na SEDES com quem sabe”, do qual o Jornal Económico é ‘media partner’. Na palestra, anterior, que decorreu a 24 de junho, o antigo Presidente da República, Ramalho Eanes, alertou que a corrupção “grassa pela sociedade”.
Comentários