Fitch reafirma rating do Santander Totta

A Fitch considera os níveis adequados de capitalização do banco detido a 100% pelo Santander Espanha, lembrando que “apesar da integração do Banco Popular Portugal, o Santander Totta continua a comparar bem com os seus concorrentes”.

Cristina Bernardo

A agência Fitch reafirmou o rating da dívida de longo prazo do Santander Totta em BBB+ e melhorou o rating de viabilidade de bb+ para bbb-. A agência reafirmou ainda o rating da dívida de curto prazo em F2. Os outlooks são estáveis.

A agência justifica que a Fitch salienta que “o Santander Totta tem mantido consistentemente uma qualidade de ativos significativamente melhor que a do setor, mesmo depois da integração do Banif e do Popular”.

As atuais notações de rating da dívida de longo prazo do Banco, em comparação com os níveis da República Portuguesa são as seguintes: Fitch – BBB+ (Portugal – BBB); Moody’s – Baa3 (Portugal – Baa3); S&P – BBB- (Portugal – BBB-); e DBRS – A (Portugal – BBB).

A agência de notação refere que “as atividades do Santander Totta em Portugal são estrategicamente importantes para o grupo, enquanto a gestão independente é significante. O Santander Totta tem feito um percurso longo e com sucesso no apoio aos objetivos do grupo”.

Sobre o rating de viabilidade, a Fitch explica que “a melhoria deve-se principalmente à capacidade que o Banco tem demonstrado em ter um bom desempenho e em integrar progressivamente o Banco Popular Portugal, sem comprometer a sua rentabilidade ajustada ao risco ao longo do ciclo económico. O seu core business tem sido resiliente e o Banco tem gerado uma rentabilidade adequada, mantendo simultaneamente a qualidade dos ativos controlada”.

Este rating considera também os níveis adequados de capitalização, lembrando que “apesar da integração do Banco Popular Portugal, o Santander Totta continua a comparar bem com os seus concorrentes”.

 

Ler mais
Recomendadas

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Adeus, caderneta bancária. Levantamentos de dinheiro acabam este sábado

Esta medida é uma consequência direta da entrada em vigor das novas regras europeias, que exigem mais segurança nas operações bancárias. Clientes do Montepio Geral, Caixa Geral de Depósitos e Crédito Agrícola vão ter de passar a usar somente o cartão de débito para levantar dinheiro.

Sindicatos bancários aplaudem “papel responsável” da DGERT e dizem que negociação para 2019 com o BCP “não está fechada”

Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários, Sindicato dos Bancários do Norte e Sindicato Independente da Banca asseguram que não voltarão “a baixar os braços” porque pediram 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias e o banco retorquiu com 0,6%.
Comentários