Fitch revê ‘outlook’ do Santander Totta de negativo para estável

Esta revisão reflete uma ação semelhante tomada pela Fitch em relação ao Banco Santander S.A., tendo em conta os ‘ratings’ de emissor a longo prazo do Totta “têm por base o apoio institucional do Santander”.

Reinhard Krause/Reuters

A agência de notação Fitch reviu o outlook (perspetiva) do Santander Totta de ‘negativo’ para ‘estável’ depois de ter tomado uma decisão semelhante quando ao grupo espanhol.

“A Fitch Ratings reviu o ‘outlook’ do Santander Totta SGPS S.A. e do Banco Santander Totta S.A. de ‘negativo’ para ‘estável’, afirmando ainda os ‘ratings’ de emissor a longo prazo do banco em BBB+”, adiantou a agência, em comunicado divulgado esta sexta-feira.

Esta revisão reflete uma ação semelhante tomada pela Fitch em relação ao Banco Santander S.A., tendo em conta os ‘ratings’ de emissor a longo prazo do Totta “têm por base o apoio institucional do Santander”.

No comunicado, a Fitch recorda que caso haja necessidade, há uma “elevada probabilidade” de apoio do banco espanhol ao Totta, o que acaba por levar a uma melhoria na perspetiva.

Ainda assim, a classificação das emissões a longo prazo do Totta está abaixo das do Santander, o que, de acordo com a Fitch “reflete que, ainda que as atividades do grupo em Portugal sejam estrategicamente importantes, não são tanto como as operações ‘core’ espanholas”.

“O Santander tem uma forte capacidade de dar apoio se necessário, tendo em conta que o tamanho modesto do Totta muito dificilmente representará um constrangimento”, considera a agência.

Recomendadas

BCP quer concluir plano de redução de pessoal a 5 de dezembro

O processo de negociação voluntária decorre até 18 de agosto, tendo o banco comunicado aos sindicatos que, se não atingir a meta (de reduzir ligeiramente acima de 800 pessoas) pode avançar com o despedimento coletivo em setembro.

Desafios no ambiente operacional em Espanha e Portugal levam DBRS a atribuir ‘outlook’ negativo ao Bankinter

A DBRS espera que a qualidade dos ativos e o custo do risco sejam impactados negativamente, especialmente quando expirarem as moratórias e as restantes medidas de apoio promovidas pelo Governo.

PremiumBCP avança com 800 rescisões amigáveis, mas pode recorrer ao despedimento coletivo

O BCP está a oferecer a cada trabalhador que aceita sair de comum acordo uma indemnização de 1,4 ordenados por ano de antiguidade, sabe o JE.
Comentários