Flagrante injustiça

A situação atual condena toda uma classe profissional a ficar extinta como os dinossauros. Vamos tratar dos ladrões que eles também merecem.

O coronavírus tem sido um desafio importante à nossa capacidade de responder a uma crise, e até os Governos se têm multiplicado em esforços.

Manter empresas e empregos tem sido o mote, e por toda a Europa têm sido adiados pagamentos ao Estado e criadas linhas de crédito para que não haja problemas de liquidez e para que, entre empresas e Segurança Social, os trabalhadores continuem a receber. Na Alemanha, em Berlim, até os trabalhadores independentes tiveram direito a um pagamento do Estado entre 5 mil e 15 mil euros para aguentar este primeiro par de meses de confinamento.

Os governos, reconheça-se, têm-se esmerado em procurar tratar de todos, mas há uma classe profissional que, infelizmente, porque não é uma atividade, digamos, meritória e não está sindicalizada tem sido ignorada, o que é perfeitamente injusto neste momento de desgraça. Quantas famílias não veem em causa o seu nível de vida, quiçá a subsistência, perante a indiferença geral, o que é uma vergonha para uma sociedade que se diz desenvolvida.

Não, não estou a pensar nessa “profissão”, estou a pensar nos ladrões. Com as ruas desertas e as lojas fechadas, quem vão assaltar? E se os supermercados estão abertos, já tentaram roubar a carteira de alguém a um par de metros de distância? E como se assalta um caixa se toda a gente paga com multibanco? Até no metro não se pode estar sentado ao pé de ninguém. Isto é condenar toda uma classe profissional a ficar extinta como os dinossauros. Se isto continua, que filho de ladrão vai querer seguir as pisadas do pai?

Os políticos desta nossa Europa deviam pensar também no que fazer por estes desgraçados, que são tão pais de família como os outros. Então, vamos tratar dos ladrões, que eles também merecem. Porque não colocar uns bonecos na rua, com carteiras com umas coroas, para os ladrões roubarem? Com uns sensores para que só um profissional possa fazê-lo, que isto não é para parasitas. Os bonecos são seguros, não apanham nem pegam coronavírus. Cada boneco teria uma quantidade aleatória de dinheiro, para que os ladrões possam discutir entre si quem se está a safar melhor e dar interesse à coisa.

Se isto parece um disparate, há uma boa razão para o fazer. Se os confinamentos pegam, a única maneira desta gente ganhar uns cobres vai ser na política, e os ladrões de hoje estarão condenados a ser os políticos de amanhã. Portanto, é bom que se arranje um escape que os permita manter-se em atividade, ou está tudo em causa.

Já viram o que é um ladrão a sério, com uns bons anos nisto, a fazer o código do IRS? Ou o Orçamento do Estado? Depois vai ser um ver se te avias que só acaba quando estivermos todos depenados e aí, sim, é que vai ser o fim.

Recomendadas

Crónica de uma morte anunciada em Moscavide

Talvez a maior justiça esteja em tentar compreender porque é que fingimos que um problema que está à vista de todos não existe e negamos qualquer tentativa de reflexão sobre o mesmo.

Uma semana na “tugolândia”

Ainda há dúvidas de que o Novo Banco é um buraco sem fundo que nos sairá mais caro que a sua falência e que abriu um precedente perigoso?

Desafios centralizados

O impacto e a forma como hoje a nossa atividade interage com a economia portuguesa, bem demonstrada nos dados do anuário que hoje lançamos, reforça a nossa já assumida ambição de que a indústria do Futebol passe a estar também sob a alçada do Ministro da Economia, numa dupla tutela com Ministério de Educação e a Secretaria de Estado da Juventude do Desporto.
Comentários