Football Leaks: João Medeiros viveu “sobressalto constante” na difusão de emails

Apesar de o impacto da divulgação dos emails não o ter afetado do ponto de vista dos clientes, João Medeiros frisou ter sentido uma “grande repercussão” na sociedade de advogados PLMJ, para a qual trabalhava à data dos factos, que encarou “com seriedade” e onde “não se olhou a meios para tratar o assunto de forma profissional”.

O advogado João Medeiros, assistente no processo ‘Football Leaks’, expressou hoje, na terceira sessão do julgamento, ter vivido em “sobressalto constante” durante a difusão dos emails alegadamente alvos de intrusão por Rui Pinto, criador da plataforma.

João Medeiros explicou que foram publicados nove ‘gigas’ de documentos, que corresponde a cerca de 29 mil emails, datados até 23 de dezembro de 2018, que continham informação respeitante a vários processos “’apetitosos’ a nível mediático”, como o caso EDP, os Vistos Gold, o caso das Secretas/Jorge Silva Carvalho, a Operação Marquês – que contou terem sido “vazados todos os volumes que tinha digitalizado” -, entre outros.

“Foram momentos muito difíceis. Senti o meu computador completamente devassado, emails expostos, clientes a ligarem a perguntar o que se tinha passado. Eu, por aquilo ser divulgado a ‘conta-gotas’, vivia num sobressalto constante”, afirmou, considerando que “foram tempos de grande incerteza” e que, ainda hoje, não se sente tranquilo, admitindo inclusive ter recorrido aos serviços de uma psicóloga.

Apesar de o impacto da divulgação dos emails não o ter afetado do ponto de vista dos clientes, João Medeiros frisou ter sentido uma “grande repercussão” na sociedade de advogados PLMJ, para a qual trabalhava à data dos factos, que encarou “com seriedade” e onde “não se olhou a meios para tratar o assunto de forma profissional”.

“Não conseguia pensar em outra coisa, estava permanentemente em ansiedade. É uma sensação de uma pessoa ser ‘desventrada’, terem entrado na nossa vida pessoal e profissional”, sublinhou, contando que os seus colegas passaram a olhar para ele como se o “culpabilizassem por isto”.

O julgamento, a decorrer no Tribunal Central Criminal de Lisboa, prossegue na quinta-feira, com a quarta sessão, na qual serão ouvidos os restantes dois assistentes no processo, Rui Costa Pereira e Inês Almeida Costa, da parte da manhã, e o inspetor da Polícia Judiciária Miguel Amador, da parte da tarde.

Rui Pinto, de 31 anos, responde por um total de 90 crimes: 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo, visando entidades como o Sporting, a Doyen, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol e a Procuradoria-Geral da República, e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por extorsão, na forma tentada.

O criador do Football Leaks encontra-se em liberdade desde 07 de agosto, “devido à sua colaboração” com a Polícia Judiciária (PJ) e ao seu “sentido crítico”, mas está, por questões de segurança, inserido no programa de proteção de testemunhas em local não revelado e sob proteção policial.

Ler mais
Recomendadas

Túnel da Avenida João XXI em Lisboa continua fechado. Câmara aponta falha no sistema de controlo elétrico

“A avaliação mais detalhada do que aconteceu, e das medidas necessárias para a reposição das condições de operação e circulação em plena segurança, estão a decorrer”, garante a autarquia.

Moderna quer produzir 20 milhões de doses da vacina contra o Covid-19 até ao final de 2020

Atualmente, não há vacinas contra o Covid-19 aprovadas pelos reguladores dos EUA, embora algumas já se encontrem na fase final de testes para provar que são seguras e eficazes.

Possibilidade de novo confinamento está a ganhar adeptos em Portugal, revela sondagem

As regiões do Norte e Centro são as que mais defendem num novo confinamento e a faixa etária que mais apoia o regresso desta medida está compreendida entre os 18 e 34 anos, dados divulgados no mesmo dia que António Costa frisou que o “o custo social do confinamento foi enorme”.
Comentários