Forbes: Jorge Mendes é um dos três agentes desportivos mais poderosos do mundo

Na última edição do ranking, Jorge Mendes foi considerado o segundo agente mais poderoso do mundo. Caiu agora um lugar, ficando atrás de Scott Boras e de Jonathan Barnett.

O dono e gestor da Gestifute, Jorge Mendes, que representa futebolistas como Cristiano Ronaldo, James Rodriguez e João Félix, foi escolhido pela revista “Forbes” como o terceiro agente de futebol mais poderoso do mundo. No ranking está o nome de 50 agentes, sendo o principal critério o valor dos negócios alcançados (contratos de atletas e comissões).

Jorge Mendes, apesar de ter feito o negócio do defeso, com a transferência de João Félix do Benfica para o Atlético de Madrid, numa transferência de 126 milhões de euros, está no terceiro lugar da lista atrás de Scott Boras e de Jonathan Barnett. Em 2018, tinha ficado no segundo lugar deste mesmo ranking.

O superagente terá alcançado contratos no valor de 1.076 milhões de euros, de acordo com a Forbes, o que lhe valeu 105,8 milhões milhões de euros em comissões. Cristiano Ronaldo é o cliente mais famoso, cuja carteira conta com nomes como João Félix (At. Madrid), James Rodríguez (Real Madrid), Diego Costa (At. Madrid), Angel Di María (PSG), Nélson Semedo (Barcelona) ou João Cancelo (Manchester City).

À frente de Mendes, Scott Boras tem a sua carreira de agente definida no beisebol, sendo que terá arrecadado cerca de 106,5 milhões de euros em comissões.

O mais poderoso dos agentes, por sua vez, é Jonathan Barnett, o agente do futebolista galês Gareth Bale. Barnett, que é o dono da Stellar Group, fechou contratos no valor de 1.165,7 milhões de euros, dos quais obteve 114,8 milhões de euros em comissões, na última época desportiva.

Jogadores como Saúl Ñiguez (At. Madrid), Luke Shaw (Manchester United), Timothy Fosu-Mensah (Manchester United), Máxi Gómez (Valência) ou Joe Hart (Burnley), são mais alguns dos atletas representados por Jonathan Barnett.

Ler mais
Recomendadas

“Estava tudo previsto”. Como a NBA geriu a pandemia da Covid-19

Em entrevista ao JE, Carlos Barroca, vice-presidente de Operações da NBA Ásia, explica como a Liga de basquetebol previu este contratempo e como estas situações devem estar sempre acauteladas nos contratos para que não aconteça o que sucedeu na Europa, por exemplo.

La Liga altera estatutos para facilitar acesso a financiamento bancário

A mudança nos regulamentos tem como grande objetivo dar as mesmas garantias aos fundos e bancos de investimento, que o Tesouro, a Segurança Social ou os jogadores já têm.

AdC ordena Liga de Clubes a suspender impedimento de contratação de jogadores que rescindam devido à pandemia

“A medida cautelar hoje decidida pela AdC impõe-se perante o potencial impacto grave e irreparável de uma prática suscetível de lesar as regras da concorrência e que foi objeto de abertura de um inquérito tendo por visada a LPFP”, esclarece a AdC.
Comentários