Forças Armadas com menos proteção aérea devido à falta de peças

O Ministério da Defesa afirma que não existem equipamentos sobressalentes.

 

As Forças Armadas Portuguesas perderam capacidade de proteção antiaérea e encontram-se mais frágeis perante os aliados devido à falta de peças sobressalentes para o sistema míssil ligeiro M48A2 Chaparral, de acordo com o Correio da Manhã desta segunda-feira, que obteve a confirmação junto do Ministério da Defesa.

“Neste momento, a escassez de peças sobressalentes no mercado, que se traduz na obsolescência total da plataforma de tiro, não permite garantir a operacionalidade mínima do sistema”, confessa ao CM o gabinete de José Alberto Azeredo Lopes, acrescentando que os problemas no sistema M48A2 Chaparral causam “lacunas na protecção antiaérea de baixa e muito baixa altitude”.

O sistema em questão, que é utilizado pelo Exército desde 1990, será substituído por novos equipamentos que serão comprados por 32 milhões de euros.

Relacionadas

Forças Armadas com metade dos recrutas necessários

De acordo com os dados da Força Aérea, da Marinha e do Exército, apenas 3906 recrutas foram integrados nas forças de combate e defesa portuguesas, metade daqueles que são necessários.

Forças Armadas não fazem reivindicações cumprem a sua missão

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, afirmou hoje que as Forças Armadas têm sempre cumprido a sua “missão de forma exemplar”, notando que as suas “necessidades” têm sido “correspondidas, dentro dos recursos orçamentais” disponíveis.
Recomendadas

Montijo: Problemas são apresentados “sob forma de homilia”, acusa ex-presidente do LNEC

Para Carlos Matias Ramos, antigo responsável do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, a estratégia para os transportes constitui um “desafio, uma oportunidade e uma necessidade”, sendo determinante para as “regiões periféricas”.

Portugal não assinou carta sobre direitos LGBT na Hungria por “dever de neutralidade”

Treze países da União Europeia instaram a Comissão Europeia a “utilizar todos os instrumentos à sua disposição para garantir o pleno respeito do direito europeu”, perante uma lei húngara considerada “discriminatória para as pessoas LGBT”.

Diploma do PAN prevê contraordenação quando animais de companhia fiquem sozinhos mais de 12 horas

Iniciativa legislativa destinada a limitar acorrentamento de animais e a sua manutenção em varandas prevê que os mesmos não possam ser deixados desacompanhados por mais de 12 horas.
Comentários